fbpx

Tabagismo entre homens atinge níveis alarmantes em países mais pobres

Estudo divulgado pela publicação americana “The Lancet” revela alta taxa de tabagismo entre homens, principalmente entre as nações subdesenvolvidas. Na lista com 14 países de baixa e média renda, o Brasil se sobressai com a menor taxa de homens fumantes, 21%. Já na outra ponta da tabela está a Rússia, com 60,2% dos homens fumantes.

Os dados do Global Adult Tobacco Survey (GATS), usados no estudo, foram pesquisados avaliaram também o percentual de fumantes nos Estados Unidos e Reino Unido.

A pesquisa mostrou ainda as altas taxas de iniciação precoce do tabagismo entre mulheres e os baixos índices de abandono do vício. Segundo a publicação, os números reforçam a visão de que os esforços para prevenir o início do fumo e promover a cessação do uso do tabaco são necessários para reduzir a morbidade e mortalidade associadas.

Apesar da elevada carga global de doenças causadas pelo tabaco, dados de prevalência válidos e comparáveis para os padrões do uso do tabaco adulto e fatores que influenciam o uso do cigarro ainda estão ausentes em muitos dos países estudados.

Além de EUA e Reino Unido, utilizados no estudo para efeitos de comparação, o estudo avaliou o hábito de fumar em Bangladesh, Brasil, China, Egito , Índia, México, Filipinas, Polônia, Rússia, Tailândia, Turquia, Ucrânia, Uruguai e Vietnã.

Veja mais detalhes da pesquisa.

Pesquisa nacional

Levantamento recente divulgado em abril deste ano pelo Ministério da Saúde aponta que o percentual de fumantes no país caiu, passando de 16,2% em 2006 para 14,8% no ano passado. A pesquisa foi realizada pela Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel).

Ainda de acordo com o relatório da pasta, a frequência de fumantes continua maior entre os homens: 18,1% contra 12% entre as mulheres. Ainda assim, a população masculina lidera a redução do tabagismo no país, já que 25% deles declararam ter deixado de fumar, contra 19% entre as pessoas do sexo feminino. A tendência de queda no consumo entre os homens foi constatada em todas as faixas etárias e independentemente do grau de escolaridade.

A quantidade de pessoas que abandonam o hábito de fumar, de acordo com o ministério, aumenta com o avançar da idade. A frequência de ex-fumantes chega a ser quase cinco vezes maior entre homens com mais de 65 anos. Entre as mulheres, a maior queda foi verificada na faixa etária dos 55 aos 64 anos (30%).

Outro aspecto positivo apontado pelo estudo é a queda do índice de homens que fumam mais de 20 cigarros por dia – o chamado fumante pesado. A proporção passou de 6,3% em 2006 para 5,4% em 2011.
Autor:
OBID Fonte: R7