Maconha: quanto custa o ´barato` para o meio ambiente?

Exame
Da perspectiva do usuário, um cigarro de maconha representa dois quilos de emissões de CO2 – o mesmo que deixar uma lâmpada de 100 watts acesa por 25 horas.

Nos EUA, produção da erva no interior de casas e apartamentos consome 1% da eletricidade do país e gera emissões de CO2 equivalentes ao emitido por três milhões de carros.

Depois da cidade espanhola de Rasquera, na Catalunha, resolver plantar maconha para fugir da crise, três estados americanos, Washignton, Oregon e Colorado, vão levar à votação, em novembro, junto com as eleições presidenciais, uma proposta de legalização da cannabis sativa para uso recreativo. Mais do que apelar a argumentos médicos ou científicos, eles defendem que a venda da maconha (liberada em 14 estados do país para uso medicinal) poderá gerar aos cofres públicos alguns bilhões de dólares em tributos.

Mas há uma questão específica que é praticamente esquecida: o impacto ambiental da produção da maconha no país, como destaca o site Huffington Post. A reportagem sobre a pegada de carbono da erva cita um estudo independente divulgado ano passado que mostra que a maconha cultivada nos EUA pode sair caro ao meio ambiente.

A análise feita pelo pesquisador Evan Mills, especializado em energia e mudanças climáticas, revela que a produção da erva no interior de casas e apartamentos, que funcionam como estufas (o chamado cultivo indoor), consome pelo menos 1% de toda a eletricidade do país. Essa demanda de energia custa cerca de 6 bilhões de dólares – 6 vezes mais que a da energia consumida por toda a indústria farmacêutica americana.

Da perspectiva dos consumidores individuais, um único cigarro de cannabis representa 2 quilos de emissões de CO2, um montante igual a deixar uma lâmpada de 100 watts acesa por 25 horas. Somando a energia consumida mais o transporte da droga, a produção anual da erva nesse formato geraria emissões de CO2 equivalentes ao emitido por três milhões de carros.

Segundo o relatório, o cultivo indoor demanda um sistema intensivo de “iluminação, técnicas específicas de desumidificação para remover o vapor de água, aquecimento especial durante períodos frios e nublados”. Por isso, há quem defenda que a legalização da erva permitiria uma maior produção ao ar livre, o que reduziria a pegada de carbono da droga. Não há dúvidas de que o debate sobre liberar ou não a droga vai levantar discussões acaloradas nos próximos meses.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)