Comoção Operante

*Conceição Cinti

A acolhida da Rede Globo ao ex-jogador e hoje comentarista Walter Casagrande me fez lembrar a corajosa e humanista posição da direção do Clube "Boca Juniors" e do povo argentino com renomado craque Diego Maradona.

Merecida? Sem dúvida! Todo ser humano merece a chance de se Reabilitar.

Estender a mão a alguém no ápice da fama é a praxe, mas confiar a Seleção Argentina, a alguém que se encontrava tão fragilizada é mais que um exemplo de nobreza de um povo e uma lição que precisa ser repensada e incorporada por todos. O exemplo da Argentina sem dúvidas teve impacto entre nós quando a respeitável Rede Globo numa atitude semelhante  de grandeza e solidariedade acolheu nosso ex-jogador do Corinthians Casagrande.

Maradona tem buscado manter a superação a todo custo. Não têm sido diferente  os esforços de Walter Casagrande que se tornou inclusive palestrante junto às famílias e jovens sobre os danos e as tragédias provocadas pela dependência química principalmente nesse momento em que o país está epidêmico pela cocaína e o crack.

Considero a recaída um dos fatos mais temidos e mais frequentes no caso da cocaína e do crack, apesar de entender que a recaída faz parte do processo de restauração de um dependente em SPA.  Mas é certo que os cuidados com as mudanças de hábitos e até de turma é um dos melhores antidoto e não podem ser negligenciados.  A compulsão pela cocaína e o crack é uma das mais violentas e é preciso está atento para se livrar das armadilhas.

Repito com frequência porque é uma verdade que precisa ser mais difundida que o Brasil tem Know How em tratamento em SPA, trabalho iniciado desde 1967 pelas Comunidades Terapêuticas. Ao longo dos anos o Terceiro Setor tem sido o maior responsável pelo acolhimento e tratamento desse segmento pela ausência do Estado que não acredita em restauração de pessoas.

De forma que esse trabalho com os dependentes em SPA tem sido tocado no varejo, mas tem tido uma excelente repercussão porque vem sendo realizado por pessoas vocacionadas e que tem um grande respeito pelo próximo, mas não é suficiente e o Poder Público tem que assumir sua responsabilidade.

As empresas de um modo geral vêm aderindo cada vez mais e esse trabalho e esse fato é bom para todos: para o dependente que precisa de ajuda e para empresa que não perde seus investimentos nos funcionários recuperando os e reintegrando os novamente ao mercado de trabalho.

Quem não puder ajudar não atire a primeira pedra!

*Conceição Cinti, advogada, educadora, especialista em Tratamento de Dependentes em Substâncias Psicoativas, com experiência de mais de três décadas.
Fonte: Instituto Avante Brasil