Da nossa própria família

Folha de S. Paulo
O Brasil é o maior mercado mundial de crack. Cerca de 1 milhão de pessoas são “usuárias” -eufemismo que esconde a palavra adequada, dependentes, já que não existe usuário recreativo desta droga.

Crack, como se sabe, é cocaína fumada. Se somarmos os que a inalam, teremos 2,8 milhões de brasileiros que consumiram cocaína de um ano para cá. Os números são do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Políticas Públicas do Álcool e Outras Drogas.

Esses dados podem ser conservadores. O número de brasileiros que admite já ter cheirado, por exemplo, está pelos 6 milhões. O consumo também mudou. Há 30 anos, ela era uma droga “de salão” -não era fácil adquiri-la, e seus consumidores regulares estavam entre os artistas, intelectuais, publicitários e profissionais liberais. Era uma droga “adulta”. Os jovens não lhe tinham acesso. Nas clínicas de tratamento, os dependentes de cocaína não chegavam a 20% dos de álcool.

Hoje, nessas clínicas, as internações continuam a ter o álcool como componente, mas agora associado a maconha, medicamentos e cocaína. E esta já se tornou também uma droga para crianças e adolescentes -eles a conseguem com a mesma facilidade com que compram maconha, e da mesma fonte. Liberada a maconha, os traficantes continuarão operando e com a mesma clientela.

No Brasil, as discussões sobre drogas parecem limitar-se aos aspectos jurídicos ou policiais. É como se suas únicas consequências estivessem em legalismos, tecnicalidades e estatísticas criminais. Raro ler a respeito envolvendo questões de saúde pública como programas de esclarecimento e prevenção, de tratamento para dependentes e de reintegração desses à vida.

Quantos de nós sabemos o nome de um médico ou clínica a quem tentar encaminhar um drogado da nossa própria família?
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)