Cresce número de mortes por drogas, diz estudo da ONU

Jornal da Manhã
Dados do Relatório Mundial sobre Drogas 2012, divulgados pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (Unodc), estimam que cerca de 230 milhões de pessoas no mundo usaram algum tipo de droga em 2010.

Isso corresponde a 5% da população adulta, com idade entre 15 e 64 anos. O estudo revela, ainda, que uma em cada 100 mortes entre adultos é atribuída ao uso de drogas. Em Uberaba, dados do Centro de Atenção Psicossocial para os Dependentes de Álcool e outras Drogas (Caps AD) apontam que a média de 280 pessoas é atendida por mês por causa do crack e outras drogas, mas não há levantamento específico sobre o número de óbitos no município.

De acordo com o psicólogo e referência técnica em Saúde Mental do município, Sérgio Henrique Marçal, Uberaba segue a mesma linha de atendimento nacional destinado ao enfrentamento contra o álcool e outras drogas, em especial o crack, que está em evidência. “Temos como estrutura o Caps AD, tipo 3, que funciona 24 horas, oferecendo tratamento interdisciplinar ao dependente de álcool e de outras drogas. Contamos com psiquiatras, psicólogos, assistente social, terapeuta ocupacional e serviço de farmácia.

O paciente tem todos os atendimentos necessários, inclusive contenção em leito, se for necessária a desintoxicação em períodos de abstinência”, frisa.

Marçal destaca que o serviço serve de referência, encaminhando dependentes aos demais. “Como o Consultório de Rua, que fez um mapeamento dos pontos críticos e presta assistência funcionando como facilitador de acesso daquela população de rua, que, logo, está à margem da atenção em saúde. Por isso, funciona como articulador entre essa população e os serviços de saúde, avaliando e fazendo as referências. Temos, ainda, um projeto de leitos de acolhimento em comunidades terapêuticas, do Ministério da Saúde, sendo que em Uberaba foi contemplada a Comunidade Nova Jerusalém. São 20 leitos, em que o paciente passa por uma avaliação no Caps AD e é encaminhado”, explica. Já o Consultório de Rua realiza a média de 50 abordagens por dia.

Além destes, o município foi considerado habilitado para oferecer outros projetos do Ministério da Saúde e está previsto o credenciamento, como, por exemplo, para atender casos de acolhimento transitório.

Segundo o relatório, no Brasil, as apreensões federais mais que triplicaram desde 2004, atingindo 27 toneladas em 2010, embora o consumo e a produção de drogas, como cocaína, heroína e maconha, tenham ficado estáveis. O relatório mostra, ainda, que 13% dos usuários sofrem dependência e têm problemas com aumento da incidência de Aids, hepatite C e hepatite B. Por consequência, o número de mortes, especialmente ligadas ao uso de derivados de ópio, alucinógenos e solúveis voláteis, aumentou 47% entre 2009 e 2010, conforme dados recentes do Ministério da Saúde.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)