fbpx

América Latina pede mudança na luta contra drogas na ONU

Terra
Vários presidentes latino-americanos se uniram nesta quarta-feira, na Assembleia Geral das Nações Unidas, para pedir a revisão da atual estratégia de combate às drogas, cujos resultados são cada vez mais questionados.

“Cinquenta anos já são suficientes para se poder avaliar claramente o que fizemos e entender que não obtivemos os resultados esperados”, destacou o presidente guatemalteco, Otto Pérez, sintetizando o sentimento de muitos líderes da região.

“A premissa da nossa luta contra as drogas tem mostrado sérias falhas, e não foi possível erradicar o consumo de drogas no mundo”, acrescentou Pérez, que propõe a descriminação das drogas. “Não se trata de baixar a guarda e abandonar a luta” contra o crime, destacou Otto Pérez.

Segundo dados oficiais dos EUA, 90% da droga enviada da América do Sul aos Estados Unidos passa pela América Central, o que converteu a região na mais violenta do planeta. México, que utiliza as Forças Armadas contra os cartéis das drogas, é um dos países mais afetados pela violência do narcotráfico, com mais de 60 mil mortos nos últimos seis anos.

Colômbia, que junto ao Peru é o principal produtor de cocaína do planeta, con 345 toneladas em 2011, também sofre com a violência ligada às drogas. O presidente mexicano, Felipe Calderón, um dos líderes mais destacados do combate frontal ao narcotráfico, desafiou a ONU a liderar uma discussão aberta sobre a questão.

“Exijo das Nações Unidas não apenas que participe, mas que lidere uma discussão à altura do século XXI, sem preconceitos, e que leve a todos a encontrar soluções com enfoques novos e eficientes”.

A ONU “deve examinar com honestidade, com rigor acadêmico e responsabilidade global quais podem ser estas alternativas, especialmente alternativas regulatórias e de mercado, que nos permitam saber se são realmente ou não alternativas”, disse Calderón, acrescentando que o “enfoque repressor” produz enormes somas em dinheiro para os criminosos.

O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, concordou que “é preciso determinar sobre bases objetivas, bases científicas, se estamos fazendo o melhor que podemos ou se existem melhores opções para combater este flagelo”.

Santos lembrou que os líderes da região pediram à Organização dos Estados Americanos (OEA) uma análise desta problemática que tanto afeta a Colômbia. “É apenas um primeiro passo, mas de grande importância. É o início de uma decisão que o mundo tem evitado durante muitos anos e esperamos que no final surjam resultados concretos”.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)