Leis anti-fumo reduzem em até 25% internações por doenças relacionadas ao cigarro

Veja
Pesquisa olhou para os impactos de medidas aplicadas em diversos países que restringem o cigarro em ambientes como bares e restaurantes.

Um levantamento americano que analisou as consequências das leis anti-fumo em diversos países concluiu que essas medidas têm, sim, um impacto direto e rápido sobre a saúde da população. Segundo a pesquisa, feita pela Universidade da Califórnia com o Instituto Nacional de Saúde (NHI, sigla em inglês) dos Estados Unidos, a aplicação desse tipo de legislação, como por exemplo, a proibição o fumo em restaurantes e bares, é capaz de reduzir rapidamente o número de internações decorrentes de doenças como as cardiovasculares ou as respiratórias. Essa diminuição ocorre, segundo os pesquisadores, tanto entre os fumantes quanto entre pessoas expostas ao fumo passivo.

Os autores do estudo revisaram, ao todo, 45 pesquisas que analisaram, durante um ano, as consequências de 33 leis anti-fumo aplicadas em diversos países, entre eles Estados Unidos, Alemanha e Uruguai. As conclusões foram publicadas nesta semana no periódico Circulation, da Associação Americana do Coração.

Segundo os resultados, as legislações que proíbem o fumo em bares, restaurantes ou no trabalho diminuem, no período de um ano, em 15% as hospitalizações por ataque cardíaco; em 16% as internações por acidente vascular cerebral (AVC); e em 24% as hospitalizações por problemas respiratórios, como asma ou doença pulmonar obstrutiva crônica. A pesquisa ainda mostrou que as leis mais abrangentes — ou seja, que proíbem o fumo em bares, em restaurantes e também no trabalho — são as que provocam os maiores benefícios.

Para Staton Glandz, coordenador do trabalho, esses resultados apoiam a posição da Associação Americana do Coração, que acredita que leis anti-fumo deveriam se estender a todos os ambientes de trabalho e lugares públicos. “Legislações mais fortes significam reduções imediatas nos problemas de saúde relacionados ao tabagismo, o que acontece em decorrência da diminuição do fumo passivo e do número de pessoas que deixam de fumar por causa dessas leis”, diz Glantz.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Association Between Smoke-Free Legislation and Hospitalizations for Cardiac, Cerebrovascular, and Respiratory Diseases: A Meta-Analysis

Onde foi divulgada: periódico Circulation

Quem fez: Crystal Tan e Stanton Glantz

Instituição: Universidade da Califórnia, Estados Unidos

Dados de amostragem: 45 pesquisas sobre leis anti-fumo

Resultado: Em um período de um ano, as leis anti-fumo, que proíbem cigarro em bares, restaurantes ou no trabalho, reduzem em 15% as hospitalizações por ataque cardíaco; em 16% as por AVC; e em 24% por problemas respiratórios, como asma
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)