Fumo é uma das principais causas de doenças no coração, diz médico

G1
200 mil pessoas morrem por ano no Brasil devido ao uso do cigarro.

Segundo dados do Ministério da Saúde, 200 mil pessoas morrem por ano no Brasil, devido ao uso do cigarro.

Diariamente, milhares de pessoas enfrentam o desafio de abandonar o vício de fumar. A ajuda de especialistas e o apoio da família são fundamentais.

A fumaça de cigarro é uma das causas para o estabelecimento de doenças do coração. O médico pneumologista Eduardo Neves Carvalhido alerta para os males do tabagismo. “Em relação ao sistema cardíaco, o cigarro provoca a elevação da pressão arterial e também é o principal responsável pelos casos de enfarto e derrames. Além disso o tabagismo é a segunda causa de amputação de pernas”, explica.

O médico afirma ainda, que é importante ficar atento a outros malefícios causados pelo fumo. “O cigarro causa doenças do sistema respiratório, como o enfisema pulmonar, uma doença que pode levar a morte. O tabagismo pode agravar os casos das pessoas que sofrem com a asma. Isso sem falar nos cânceres de pulmão, boca, língua e laringe”, adverte o pneumologista.

Quem fuma ou já fumou admite: Parar não é fácil. A auxiliar de serviços gerais, Ana Idália Pereira, fumou até o ano de 1996, quando teve um aneurisma. Ela passou por cirurgia e se recuperou sem nenhuma sequela. O susto serviu como estímulo para parar de fumar. “Certamento foi um problema agravado pelo cigarro. Desde então resolvi parar de fumar e, felizmente estou há 16 anos sem cigarros”, revela.

Mudança

De acordo com o médico Eduardo Neves, parar de fumar requer uma mudança na vida do fumante. “A primeira coisa é mudar a mentalidade. O tabagismo tem que ser tratado como uma doença e precisa de acompanhamento médico. Existem ainda terapias psicológicas que ajudam o paciente na batalha contra o fumo”, garante o médico.

Fica o alerta também para aqueles que não fumam, mas que convivem com fumantes. “O tabagista passivo, aquele que convive com o fumante dentro de casa ou dentro do ambiente de trabalho. Essas pessoas estão sujeitos, em um grau um pouco menor, às mesmas doenças dos fumantes”, afirma o pneumologista Eduardo Neves.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)