Parar de fumar pode melhorar dor nas costas

Minha Vida
Durante anos, pesquisas relacionaram o tabagismo com risco aumentado de dor lombar, hérnia de disco e pior recuperação de pacientes que se submeteram a cirurgias da coluna.

Agora, um estudo publicado na edição de dezembro do Journal of Bone and Joint Surgery descobriu que fumantes que sofrem de dores nas costas relatam maior conforto depois de largar o vício do que os que continuam fumando. A pesquisa foi conduzida por um especialista da University of Rochester, nos Estados Unidos.

Quase todos os adultos americanos já se consultaram pelo menos uma vez com um médico por sentir dor nas costas. Assim, foi verificado o histórico de fumo de mais de 5.300 pessoas que já fizeram essa consulta. Todas tiveram seus relatos de dor axial (costas) ou radicular (perna) monitorados durante oito meses e receberam tratamento que poderia incluir intervenções cirúrgicas.

No momento do atendimento, pacientes que nunca haviam fumado e pacientes que haviam largado o cigarro relataram dor significativamente menor do que fumantes ou do que aqueles que haviam largado o vício durante o estudo. Foi descoberto ainda que aqueles que abandonaram o vício durante o tratamento relataram maior diminuição da dor do que aqueles que continuaram fumando.

De acordo com o autor do estudo, o aumento da dor é decorrente dos efeitos da nicotina no organismo. Por isso, quem deseja acabar com o problema deve não só aderir ao tratamento como também largar o vício. Confira ainda outros agravantes da dor nas costas:

Peso

Pessoas com sobrepeso ou obesidade apresentam menor flexibilidade da coluna, além de resistência limitada das grandes articulações. Isso, somado à reduzida força muscular, faz com que essas pessoas se tornem incapazes de manter uma postura fixa por tempo prolongado.

Postura

Assistir televisão deitado com a cabeça apoiada no braço do sofá é altamente prejudicial para a coluna. A posição ideal é sentado, com os pés apoiados no chão e as costas totalmente acomodadas no encosto do sofá.

Travesseiro

Nem muito alto, nem muito baixo, nem muito mole, nem muito duro. Esse é o travesseiro ideal. Deitado de lado, a coluna deve ficar alinhada com o apoio. Dormir sem o travesseiro também é prejudicial.

Sedentarismo

O sedentarismo promove a perda da flexibilidade e a fraqueza muscular das costas, da pélvis e das coxas. Isso leva a uma limitação de movimentos e a realização incorreta de movimentos, como abaixar par apegar um objeto no chão.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)