Combinação de álcool e energético altera pressão, alerta farmacêutica

G1
Ingestão excessiva de álcool afeta o sistema nervoso central. Há medicamentos que interferem na hora do teste do bafômetro.

Ingerir bebidas alcoólicas com energéticos é uma combinação perigosa e pode fazer muito mal à saúde. O álcool sozinho afeta diretamente o sistema nervoso central e causa consequências ao organismo, como a capacidade do reflexo e pensamento rápido. Já o energético tem propriedades que estimulam o sistema nervoso e aceleram os batimentos cardíacos.

De acordo com a farmacêutica Cibele Albuquerque os danos que os dois produtos causam no organismo são muito perigosos. “Álcool e energético juntos podem causar insônia e desidratação em um espaço de tempo curto. Isso gera alguns danos à saúde, principalmente em quem tem problemas com pressão arterial”, disse.

A especialista ressalta ainda que com as mulheres os danos são mais fortes. “Em pessoas do sexo feminino o efeito do álcool acontece de forma mais rápida. A mulher embriaga mais rápido porque possui mais gordura que o homem. Essa porcentagem a mais tem explicação científica, pois a mulher necessita dessa gordura por conta da propagação da espécie.

Medicamentos e o bafômetro

A farmacêutica Cibele Albuquerque diz ainda que existem medicamentos que interferem na hora de fazer o teste do bafômetro mas, só se forem ingeridos em grande quantidade. “Os medicamentos homeopáticos que tem álcool na composição são exemplos, como os xaropes para tosse ou estimulantes alimentares”, informou.

Cibele explicou que o organismo leva normalmente cerca de uma hora para processar uma taça de vinho e fazer sumir completamente o álcool da corrente sanguínea. No caso dos remédios que possuem teor alcoólico, esse processo leva cerca de alguns minutos.

A especialista acrescenta que a dose de álcool usada nesses remédios é mínima. “No caso do bafômetro só acusa se o teste for feito logo após o consumo ou se a quantidade ingerida for em excesso e a pessoa imediatamente for dirigir”, explica.

O uso continuo do álcool

Cibele atenta que o uso do álcool causa desidratação devido a grande quantidade de urina e suor que o corpo humano libera.Esse é um processo natural do organismo que limpa o sangue do álcool consumido.

A farmacêutica ressalta que os medicamentos vendidos para quem consome álcool combatem somente os efeitos da ressaca, não cria nenhuma proteção ao fígado além de não combater a perda de reflexo causado pelo consumo da bebida. “Nós possuímos receptores que nos deixam em estado de alerta contra o perigo. Com o álcool esses receptores são bloqueados e o raciocínio fica mais lento”, disse.

A especialista finaliza explicando que a pessoa ao ingerir álcool deve evitar praticar atividades que requerem algum tipo de atenção e que ponham em risco tanto a vida de quem bebeu como a do próximo, como dirigir, por exemplo.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)