A ´Farra da Maconha´ cresce em todo o país

É cada vez maior o número de usuários que não tem preocupação alguma em esconder o uso da droga, anunciada por muitos, como sem efeito na sociedade

Cenário MT.com.br
Em plena praça pública, usuários de maconha não se incomodam com a polícia por perto. A lei não permite, mas os usuários não se preocupam mais em esconder. Cada vez mais, jovens brasileiros agem como se a maconha não fosse proibida no país.

A chamada “Farra da Maconha”, acontece também dentro das universidades do país a luz do dia. Em 2012, quando a polícia militar do estado de São Paulo realizou algumas operações na USP (Universidade de São Paulo), uma das maiores universidades do país, inclusive onde foi encontrado um túnel de acesso entre uma favela e a universidade, alunos se rebelaram e invadiram por oito dias a reitoria da universidade realizando um verdadeiro quebra-quebra em defesa dos usuários da droga. Na casa de onde saía o túnel, foram apreendidos vários quilos de maconha, cocaína e crack.

AÇÃO DA DROGA

“A droga causa um empobrecimento no melhor instrumento que é nosso cérebro”, destacou o psiquiatra Ronaldo Laranjeira em entrevista a Rede Record, que exibiu uma reportagem especial sobre o assunto.

Assim que a fumaça é aspirada cai nos pulmões que absorvem rapidamente. Entre seis e dez segundos dos tempos, os componentes da droga chegam aos cérebro, agem nos neurônios, células básicas do sistema nervoso central e interferem na relação entre eles. A maconha interfere nos processos de maturação do sistema nervoso.

O uso regular da droga, pode causar perda de memória, situações e pânico e ansiedade, redução das defesas do organismo, e nos homens, diminui a produção de hormônios.

INÍCIO CADA VEZ MAIS CEDO

Segundo pesquisa da UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), cerca de 62% das pessoas que usam a droga tem menos de 18 anos quando entram em contato com a maconha pela primeira vez. Em 2006, para cada 10 adultos usuários da droga, haviam 10 adolescentes fumantes de maconha. Em 2012 este índice subiu. Para que das pessoas adultas que fumam maconha, há 14 adolescentes.

IMPUNIDADE

Induzir, instigar ou auxiliar alguém ao uso indevido de droga, pode dar de um à três anos de detenção. Está lei é aplicada ao usuários que apenas oferecem a droga aos amigos. O curioso é que a mesma lei não prevê prisão aos usuários, apenas prevê penalidades mais leves como advertência sobre os efeitos, prestação de serviços a comunidade e medidas ou cursos educativos.

Usuários da droga, são coniventes com o crime do tráfico, ou seja, não tem sua culpa diminuída pois contribuem com o processo. Para a lei, o traficante, aquele que fabrica, importa, vende, transporta, guarda, fornece, prescreve, ainda que gratuitamente a pena é de 05 a 15 anos (reclusão) e pagamento de R$ 1.500,00 dias-multa.
Se o agente for primário de bons antecedentes e não integre a organização criminosa, a pena poderá ser reduzida de 1/6 a 2/3, vedada as penas restritivas de direito, ou seja, as que citei para os usuários.

Se não há quem utilize da droga, não há trafico, ou seja, só há um aumento cada vez maior do tráfico de drogas pois cada vez mais aumenta o número de usuários.

A DROGA NAS FAMÍLIAS

Ao optar por reunir-se com os “amigos” para usar, ou simplesmente perambular pelas ruas atrás de sua droga de preferência, o usuário, despido de qualquer noção de dignidade ou de exposição, carrega consigo o pai, a mãe, a esposa e, possivelmente, mais um ou dois parentes próximos. Muitas vezes, sentindo-se impotente, a família não sabe como reagir, não sabe o que sentir e acaba perdendo o controle junto com o usuário.

É importante que os familiares reajam a dependência do seu ente querido. Como quem observa de fora e visualiza toda a necessidade de conduzi-lo a vida novamente e de proporcionar um pouco de liberdade em resposta ao aprisionamento que as drogas causaram, é necessário que a família tenha foco.

A dependência química é uma doença grave, ela é crônica e progressiva. Muitas vezes ela é um inimigo silencioso dentro de casa e a família só percebe sua presença quando ela já dominou boa parte do território.
Fonte:UNIAD – Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas