fbpx

Casagrande detalha luta contra drogas e sua agonia em clínica

Folha de S. Paulo
O uso de doping no futebol, os dias de luta na Democracia Corinthiana, overdoses provocadas por uso de cocaína e heroína e o período de mais de um ano internado em uma clínica de reabilitação são detalhados por Walter Casagrande Júnior em sua biografia, que será lançada nesta segunda-feira.

“Casagrande e Seus Demônios” (Globo Livros, 248 páginas), escrita com o jornalistas Gilvan Ribeiro, editor de esportes do jornal “Diário de S. Paulo”, é resultado de um projeto que começou há mais de uma década, segundo reportagem da revista “Veja São Paulo” desta semana.

No livro, o ex-jogador e comentarista da TV Globo conta em detalhes sua trajetória no Corinthians e na seleção brasileira, o uso e de drogas injetáveis e as consequências dele e o sistema quase prisional da clínica em que viveu.

“Acordei num lugar estranho, não sabia se era São Paulo, se estava no Brasil, qual a direção em que ficava, eu não sabia nada”, conta Casagrande em trecho do livro publicado por “Veja”.

O episódio da internação foi resultado de um acidente de carro em 2007, quando o ex-jogador dormiu no volante e se envolveu em uma batida com outros seis carros.

O livro conta que, durante sua fase mais pesada, em uma noite cheirava três carreiras de cocaína, aplicava heroína na veia e fumava um cigarro de maconha, tudo acompanhado de tequila.

Durante sete dos 13 meses em que esteve na clínica, Casagrande ficou sem contato com amigos e parentes.

Longe das drogas desde outubro de 2008, quando deixou a clínica, o ex-jogador conta que leva uma vida totalmente diferente, distante das noitadas e com um restrito círculo de amizades.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)