Observatório Europeu da Droga antecipa relatório anual

O Observatório Europeu da Droga e Toxicodependência vai lançar o seu relatório dia 28 de maio, seis meses antes do habitual, numa nova estratégia orientada para um aumento da rapidez e da eficácia, confirmou nesta segunda-feira uma responsável da organização.

O relatório anual sobre o panorama das drogas e da toxicodependência nos países da União Europeia, na Noruega, Croácia e Turquia é normalmente divulgado em novembro, mas o Observatório decidiu dar preferência a “informação mais atual”, explicou a mesma fonte à agência Lusa.

“O nosso novo programa de trabalho de três anos(2013-2015) dá muito ênfase a ter informação mais rapidamente”, afirmou a mesma fonte, adiantando que a agência adotou uma nova estratégia que visa “acompanhar o fenômeno da droga e a sua rápida transformação, bem como as crescentes necessidades e mudanças nas expectativas do público”.

A nova estratégia da agência “baseia-se nos princípios orientadores da relevância e atualidade, eficácia e valor, comunicação e orientação para o cliente”, referiu, explicando que o novo documento anual vai designar-se “Relatório Europeu sobre Droga 2013: Tendências e evoluções”, apresentando resumidamente as informações mais recentes nos 27 Estados-membros, Noruega, Croácia e Turquia.

O documento terá como produto central o relatório “Tendências e Evoluções”, com textos mais curtos e mais dados estatísticos, acompanhado de um capítulo sobre as “Perspetivas sobre Drogas” (POD, na sigla em inglês).

No relatório deste ano, o foco será dado a 12 temas, entre os quais se incluem as abordagens de tratamento da hepatite C, a utilização de alto risco de cannabis, as situações de emergência relacionadas com a cocaína e o controle das novas substâncias psicoativas.

Um destes temas só será, no entanto, apresentado em finais de junho, altura em que se realiza o III Fórum Internacional sobre novas drogas, esclareceu a mesma fonte da agência da UE de informação sobre droga, sediada em Lisboa.

O pacote informativo será completado com o Boletim estatístico (“Statistical bulletin”) anual e as Panorâmicas por país (“Country overviews”), que apresentam dados e análises a nível nacional.

No último relatório, apresentado a 15 de novembro passado, o Observatório Europeu da Droga e Toxicodependência (OEDT) concluiu que o clima de austeridade na Europa está a fazer baixar o investimento no tratamento e redução de riscos para os consumidores de droga.

O documento adiantava ainda que o número de novos utilizadores de heroína estava diminuindo, tal como a disponibilidade desta droga na Europa, apesar de um aumento da produção a nível mundial, e que as drogas sintéticas estimulantes são uma das principais preocupações das autoridades.

De acordo com o último relatório anual daquela agência europeia, a cannabis continua a ser a droga mais popular na Europa, onde a produção caseira tem aumentado, além da procura de tratamento para problemas relacionados com o uso.
Autor:
OBID Fonte: Agência Lusa