Proerd forma mais de 100 mil alunos no Acre

Portal Amazônia
Ao todo, 18 policiais são treinados para transmitir à comunidade escolar todas as informações referentes as drogas.

Manter as novas gerações livres do uso das drogas e da violência. Este é o objetivo do Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd), desenvolvido no Acre pela Polícia Militar (PM) desde 1999. Segundo dados divulgados pelo órgão na manhã desta terça-feira (11) mais de 100 mil alunos receberam a formação do programa até o final de 2012.

O programa é voltado, principalmente, às escolas da rede pública de ensino, com crianças do 1º ao 7º ano do ensino fundamental. De acordo com dados divulgados pela própria PM, aproximadamente 10 mil alunos passam pelo projeto anualmente.

O coordenador do programa no Acre, Adriano da Silva, informou que 18 policiais trabalham como instrutores e são treinados para transmitir à comunidade escolar todas as informações referentes ao envolvimento com as drogas. “O atendimento nas escolas fica dividido por semestre, com duração de três meses. Os encontros, uma vez por semana, estão no currículo escolar dos alunos até o ato da diplomação”, comentou.
Segundo Silva, a maioria das crianças que passam pela capacitação do Proerd não se envolvem com as drogas. “Isso nos motiva a continuar com o trabalho que realizamos”, reiterou.

Envolvimento

De acordo com o Adriano, ainda há muitos casos de crianças que, mesmo antes de chegaram ao 5º ano do ensino fundamental, já se envolveram com drogas ilícitas. “Nos entristece saber que, na maioria das vezes, o mau exemplo está dentro da própria casa. Mas, ganhamos a confiança dessas crianças e nos esforçamos para mudarmos as configurações que elas encontram”, explicou.

A próxima escola que receberá a capacitação é o Instituto São José. Na grade, aulas interativas que vão desde palestras a pequenas apresentações de teatro. “A intenção é que, todas as quintas-feiras, as crianças aprendam a dizer não ao álcool, cigarro e outras drogas”, comentou Adriano.

Aluna do quinto ano do Ensino Fundamental Suzana Alencar, 10, explicou que está ansiosa para transmitir os ensinamentos aos amigos do bairro. “Sinto a necessidade de passar o que aprendi aos colegas. Eles também merecem aprender, todos precisam entender o quanto as drogas fazem mal”, comentou.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)