Drogas somam 200 milhões de usuários

Diário do Sudoeste
População brasileira que consome cocaína, por exemplo, atingiu 2,6% em 2007

Em 1987, a Organização das Nações Unidas (ONU) determinou o dia 26 de junho como o Dia Internacional de Combate às Drogas. A primeira conferência sobre o assunto foi convocada pela ONU em fevereiro de 1990, firmando de 1991 a 2000 como anos internacionais de combate às drogas.

Mesmo com a data ter sido lembrada ontem, todos os dias valem para prevenir este mal, que mata tantas pessoas e acoberta com o vício tantas outras. As drogas já se tornaram um mal social em todo mundo e, no Brasil, os dados são particularmente alarmantes. De acordo com o mais recente estudo apresentado pela ONU, a proporção da população brasileira que consome cocaína cresceu de 0,4%, em 2001, para 0,7%, em 2005. Em 2001, 1% dos brasileiros entre 15 e 65 anos consumia a droga. O índice subiu para 2,6% em 2005. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), o mundo tem pelo menos 200 milhões de consumidores de drogas, dos quais 40 milhões são dependentes.

O NRTID/DENARC de Pato Branco, que tem atuação, em especial, na região sudoeste do Estado do Paraná, somente no ano de 2013 já prendeu em flagrante pelo cometimento do crime de tráfico de drogas 22 pessoas. Fora isso, foram apreendidas até a data de ontem 7,5 quilos de crack, 26 quilos de maconha, 12.360 frascos de lança perfume, 100 comprimidos de ecstasy e 95 micropontos de LSD.

A maior parte da droga apreendida na região tem como destino a cidade de Curitiba ou os estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, bem como as cidades maiores da região, como Francisco Beltrão e Pato Branco, conforme explica o delegado do Denarc, Leonardo Guimarães. Ele diz ainda que “o modo modus operandi dos traficantes é utilizar veículos para transportar as drogas em compartimentos ocultos, mas também em linhas de ônibus intermunicipais e interestaduais”.

Desde que assumiu como delegado do Denarc, em abril de 2011, Guimarães revela que diminuiu o número de traficantes na região, principalmente por causa da atuação conjunta das Polícias Civil e Militar com o Denarc. Mas ele alerta que o principal problema ainda é o pequeno traficante, que nem sempre é menor de idade, e que possuí pequenas quantidades de drogas.

O delegado frisa que há um mapeamento destas pessoas, onde utiliza-se muito o 181, mas é um trabalho difícil de investigação. Com relação aos menores infratores, quando apreendidos eles são encaminhados primeiramente ao Centro Socioeducativo (CENFE). Sobre o combate às drogas, Guimarães orienta que a prevenção ainda é o melhor caminho e o que mais trás resultados, mas que a longo prazo é muito relativo, “pois, quando tira-se um traficante da rua, chegam outros cinco”, finaliza.

Novas Substâncias Psicoativas

Em evento especial de alto nível da Comissão de Narcóticos, o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) lançou ontem, em Viena, o Relatório Mundial sobre Drogas 2013. Embora os desafios relacionados a drogas estejam surgindo a partir de Novas Substâncias Psicoativas (NSP), o Relatório Mundial sobre Drogas 2013 aponta para a estabilidade no uso de drogas tradicionais. O relatório servirá como uma referência chave no caminho até a revisão de 2016.

Comercializadas como drogas lícitas e designer drugs, as NSP estão se proliferando num ritmo sem precedentes, criando desafios inesperados na área de saúde pública.

O número de NSP, comunicadas pelos Estados-Membros para o UNODC, subiu de 166 no final de 2009 para 251 em meados de 2012, um aumento de mais de 50%. Pela primeira vez, o número de NSP excedeu o número total de substâncias sob controle internacional (234).

Como novas substâncias nocivas têm surgido com uma regularidade infalível no cenário das drogas, o sistema internacional de controle de drogas enfrenta agora um desafio devido à velocidade e à criatividade do fenômeno das NSP.


Veja Aqui Relatório Mundial sobre Drogas 2013 do UNODC

Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)