OMS alerta que o tabaco mata 6 milhões de pessoas por ano no mundo

Apesar das campanhas de saúde pública, o fumo continua liderando as causas de mortes evitáveis no mundo inteiro, matando quase seis milhões de pessoas por ano — a maioria em países de baixa e média renda, anunciou a Organização Mundial de Saúde nesta quarta-feira.

O dado foi publicado no relatório da agência da ONU. O documento mostra que mesmo com o avanço nas campanhas contra o fumo onde 24 países implementaram leis que proíbem totalmente a prática e outros 100 têm legislação para combater o problema(Brasil foi um dos que mais implementou medidas contra o tabaco), pessoas ainda morrem pelo cigarro com doenças que poderiam ser evitadas.

A diretora-geral da agência da ONU, Margaret Chan, afirmou ainda que se a tendência atual continuar, esse número deve aumentar para 8 milhões de mortes em 2030. Segundo o relatório, 67 países ainda não implementaram nenhuma proibição ao fumo ou a propagandas para promover o tabaco e seus derivados.

O Brasil é citado no relatório, junto da Turquia, do Irã e do Panamá, como um dos países que mais implementaram medidas para combater uso do tabaco.

O documento calcula que 15% da população adulta brasileira faça uso do tabaco. O país adotou as seis principais medidas conhecidas como Mpower, para combater e controlar o uso do tabaco. Elas representam as provisões contidas na Convenção sobre o Controle do Tabaco da OMS, da qual o Brasil é um dos signatários.

O relatório menciona ainda São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Salvador e Fortaleza entre as 100 cidades mundiais que atingiram os maiores níveis de sucesso nas medidas de controle contra o fumo.

A OMS deixa claro que para se atingir a meta de redução de 30% no uso do tabaco até 2025, mais países devem implementar programas compreensivos para controlar esse problema. Apesar de tudo, o relatório mostra que houve progresso. Atualmente, 2,3 bilhões de pessoas vivem em países que têm, pelo menos, uma lei para limitar o uso do tabaco. Esse número mais do que dobrou nos últimos cinco anos.

Campanhas

Além disso, as campanhas nacionais antifumo atingem 3 bilhões de pessoas no mundo inteiro. O relatório lembra que o tabaco causa câncer, doenças cardiovasculares e respiratórias e diabetes.

O diretor do departamento de prevenção de doenças crônicas da OMS, Douglas Bettcher, afirmou que os países que implementaram proibições totais juntamente com programas de controle registraram uma queda significativa no uso do tabaco em poucos anos.

Segundo o relatório, a criação de áreas públicas livre do fumo continua sendo a forma mais comum de combate e a que atinge os melhores resultados.
Autor:
OBID Fonte: UOL