Rota das drogas: traficantes montam bocas de fumo em estações de trem do Rio

Usuários se arriscam pelos trilhos para comprar entorpecentes
R7
As linhas de trem da Supervia abrigam pequenas bocas de fumo. A feira livre muitas vezes é montada próximo às aberturas feitas para passagem de pedestres nas estações. Mesmo em regiões pacificadas pela polícia, traficantes e usuários circulam livremente, se arriscando pelos trilhos.

A reportagem da série “Linha do Medo”, exibida no Balanço Geral RJ, mostrou os principais pontos de venda de drogas nas ferrovias. (veja a reportagem abaixo)

De acordo com o levantamento feito pela produção da matéria, existem ao menos 12 pontos de venda de drogas, metade deles no ramal de Belford Roxo.

Com uma câmera escondida, um produtor entrou na estação de Triagem, zona norte, para procurar uma boca de fumo. Ele consegue acessar os trilhos sem ser incomodado por seguranças. Os traficantes atuam em uma banca pequena, para não chamar atenção da polícia.

A estação de Triagem fica na região do Jacarezinho, favela pacificada desde janeiro deste ano. Os traficantes que vendem lá não usam armas. Na estação que fica dentro da favela do Jacarezinho, mulheres grávidas estão entre os usuários, que deixam lixo e objetos pelos trilhos.

Outras estações que possuem pontos de drogas são Tomás Coelho e Rocha Miranda, na zona norte, e Antares, na zona oeste. Outras cinco estações nos ramais de Santa Cruz, Campo Grande e Saracuruna também sofrem com os mesmos problemas.

Em 2011, o R7 denunciou o uso de drogas nos ramais de Saracuruna e Belford Roxo. Os trens que passavam pela região de Maguinhos e Jacarezinho, na zona norte, precisavam diminuir a velocidade para não atropelar os usuários que circulavam livremente pelos trilhos.
Fonte:UNIAD – Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas