São Bernardo inaugura segundo Caps Álcool e Drogas da cidade

Diário do Grande ABC
A Prefeitura de São Bernardo inaugurou ontem o segundo Caps 3 AD (Centro de Atenção Psicossocial 3 Álcool e Drogas) do município, localizado na região do bairro Alvarenga. A unidade, instalada em imóvel alugado na Estrada da Cooperativa por R$ 4.500 ao mês, atenderá inicialmente 150 pacientes que moram nas proximidades e precisavam se deslocar até o Caps AD Centro para passar por tratamento.

É o caso da técnica de enfermagem aposentada Vanda Maria Silva, que hoje completa 50 anos e luta para se livrar do álcool e das drogas. “Há um ano tive uma depressão muito forte e procurei o ‘remédio’ errado. No Caps fui acolhida com respeito e carinho e todos têm me ajudado a reconquistar aquilo que havia perdido.”

A unidade funciona 24 horas e conta com sete leitos para casos em que há necessidade de internação, sendo quatro masculinos e três femininos. Ao todo, 33 funcionários atenderão aos pacientes no local. A população estimada da região na qual foi instalado o Caps é de 230 mil pessoas.

Para o secretário de Saúde da cidade, Arthur Chioro, trata-se de um desafio enfrentar o fenômeno mundial do avanço do consumo de álcool e drogas. “Nossa política está alinhada com a da reforma psiquiátrica nacional e tem como objetivo tratar o paciente com respeito e trazê-lo para a rede de atendimento.” Além dos Caps, a cidade contará com 17 leitos de Saúde Mental quando o Hospital de Clínicas for inaugurado, além do trabalho de redução de danos feito pelo Consultório de Rua junto a dependentes químicos.

LACAN

O prefeito Luiz Marinho (PT) destacou ainda que a cidade continua trabalhando para tirar todos os moradores internados no Hospital Lacan. “Até agora conseguimos libertar 42 dos prisioneiros que viviam ali sem qualquer dignidade, muitos há mais de 20 anos. Até o fim do ano pretendemos tirar outros oito e mandar para as Residências Terapêuticas da cidade.”

Para Marinho, o tratamento de Saúde Mental precisa ser visto de forma apartidária. “Trata-se de um projeto de cidade. Todos devem ter a mesma visão de como construir a melhor política pública para ajudar essas pessoas.”
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)