Beber demais aumenta taxa de divórcio, mas não se casal bebe junto

O hábito de um parceiro de beber muito aumenta o risco de divórcio. Mas a bebida não afeta o casamento se ambos os cônjuges têm o mesmo hábito​​, segundo um novo estudo. Os pesquisadores acompanharam cerca de 650 casais pelos primeiros nove anos de casamento e descobriram que a taxa de divórcio era de quase 50% para os casais em que apenas um dos parceiros bebia demais. Beber além da conta foi definido como tomar seis ou mais drinques de uma só vez ou ficar bêbado.

A taxa de divórcio para casais em que nenhum dos dois tinha o hábito de beber demais ou em que ambos o faziam ​​foi de 30%, de acordo com o estudo, divulgado na edição de dezembro da publicação “Psychology of Addictive Behaviors” .”Nossos resultados indicam que é a diferença entre os hábitos de consumo do casal, e não a bebida em si, que leva à insatisfação conjugal, separação e divórcio”, disse o autor Kenneth Leonard, diretor do Instituto de Pesquisa sobre Vícios na Universidade de Buffalo, em uma nota de imprensa da universidade.“Esta pesquisa fornece evidências sólidas para reforçar a noção comum de que o alcoolismo de um parceiro pode levar ao divórcio.

Embora algumas pessoas possam pensar que é um resultado provável, surpreendentemente haviam poucos dados científicos para sustentar essa afirmação até agora”, acrescentou. Os pesquisadores ficaram surpresos ao descobrir que a taxa de divórcio para um casal que bebia muito ​​não era maior do que para um casal de abstêmios. “Cônjuges que bebem demais podem ser mais tolerantes com as experiências negativas relacionadas ao álcool devido a seus próprios hábitos de consumo”, disse Leonard. Mas isso não significa que beber demais, mesmo que a dois, não arruine outras áreas da vida familiar. “Dois bebedores pesados podem não se divorciar, mas podem criar um clima particularmente ruim para seus filhos”, observou ele. Leonard concluiu: “Esperamos que nossos resultados sejam úteis para terapeutas de casal e profissionais de saúde mental, que podem avaliar se uma diferença de hábitos de consumo de álcool está de fato causando conflitos entre os casais que procuram ajuda”.
Autor:
OBID Fonte: Adaptado de Delas.ig.com.br