Baixo desenvolvimento de oxitocina pode desencadear uso abusivo de álcool e de drogas mais tarde

Uma nova pesquisa da Universidade de Adelaide, na Austrália, sugere que o desenvolvimento abaixo do normal de oxitocina na primeira infância pode explicar por que alguns indivíduos sucumbem a um comportamento dependente com relação a álcool ou drogas.

A oxitocina, mais comumente referida como o “hormônio do amor”, é conhecida por desempenhar um papel importante nos relacionamentos, interações sociais e comportamentos maternais.

A equipe de pesquisa, liderada pela Dra. Femke Buisman – Pijlman, da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade, publicou recentemente suas descobertas na revista Pharmacology, Biochemistry and Behavior.

A Dra. Buisman – Pijlman diz que a pesquisa anterior mostrou que as pessoas têm níveis significativamente diferentes de oxitocina em seus corpos.

“Estamos interessados em saber como e por que as pessoas têm tais diferenças de oxitocina, e o que podemos fazer sobre isso para ter um impacto benéfico sobre a saúde das pessoas e o seu bem-estar”, acrescenta ela .

Todos nós nascemos com a oxitocina em nossos corpos. O hormônio desempenha um papel importante no desenvolvimento do vínculo entre mãe e filho.

Mas a Dr. Buisman – Pijlman diz que nossos sistemas de oxitocina só terminam de se desenvolver com a idade de três anos, “o que significa que os nossos sistemas são potencialmente sujeitos a uma série de influências, tanto externas como internas”.

Ela diz que os principais fatores que influenciam a forma como os nossos sistemas de oxitocina se desenvolvem são genética, gênero e ambiente.

É claro que os genes com os quais nascemos não podem ser mudados. Mas a Dr. Buisman – Pijlman diz que fatores ambientais podem desempenhar um papel no desenvolvimento dos nossos sistemas de oxitocina até que eles estejam totalmente desenvolvidos.

Esses fatores podem incluir a exposição precoce a medicamentos, estresse, trauma ou infecção grave.

Prejuízos ao sistema de oxitocina “torna os hormônios menos capazes de reagir”

Para o seu estudo, os pesquisadores realizaram uma revisão de pesquisas já existentes que analisou a associação entre a oxitocina e a dependência.

A equipe descobriu que alguns estudos revelaram alguns fatores de risco para dependência de drogas em crianças a partir dos quatro anos de idade. A Dra. Buisman – Pijlman diz que desde que o momento em que o sistema de oxitocina está totalmente desenvolvido, por volta dos três anos, “deveria haver uma janela crítica para o estudo”.

Se o sistema de oxitocina se desenvolve corretamente, o prazer advindo de drogas e o sentimento de estresse podem ser menores. Mas se o sistema não se desenvolve corretamente, isso poderia significar que algumas pessoas têm predisposição para o comportamento aditivo?

“Um sistema de oxitocina bem desenvolvido está apto a aumentar a resiliência, direta e indiretamente, por exemplo, reduzindo a recompensa da droga, aumentando a recompensa social, a redução da ansiedade, a redução da resposta ao estresse e a estimulação imunológica”, explicam os pesquisadores.

“Se adversidades surgem, o sistema de oxitocina ainda se desenvolve, mas os níveis basais podem ser menores e menos sensíveis. A conectividade com outros sistemas pode ser diferente. Resumindo, diferenças individuais no sistema endógeno de oxitocina podem surgir, com base em experiências ocorridas no início da vida”.

De acordo com uma Pesquisa Nacional sobre Uso de Drogas e Saúde da Administração dos Serviços de Abuso de Substância e Saúde Mental dos Estados Unidos, 8,7% da população deste país, com idade entre 12 ou mais anos, foi tratado por uso de droga ilícita ou álcool em 2010.

A Dra. Buisman – Pijlman diz que a compreensão acerca do que ocorre durante o desenvolvimento do sistema de oxitocina nos primeiros anos de vida pode ajudar a determinar o que leva a um comportamento dependente, e até mesmo levar a novas estratégias para o tratamento e a prevenção de tal comportamento.
Autor: Honor Whiteman
OBID Fonte: Traduzido e adaptado de Medical News Today