Pacientes co-infectados com HIV e hepatite C que bebem correm maior risco de desenvolver hepatite avançada

O consumo de álcool tem sido há muito associado a um maior risco de desenvolver fibrose hepática avançada, mas um novo estudo publicado online na Doenças Infecciosas Clínicas pelos pesquisadores da Penn Medicine e outras instituições mostra que a associação é drasticamente maior em pessoas co-infectadas com HIV e com o vírus da hepatite C crônica (HCV). Mesmo que bebam pouco (“não perigosamente”) – que geralmente significa risco relativamente baixo de desenvolver a doença em pessoas não infectadas –, o uso foi ligado a um maior risco de desenvolver fibrose hepática no grupo de co-infectados.

As razões que levam a este fenômeno não são inteiramente compreendidas, mas estudos pré-clínicos demonstraram que os dois vírus podem induzir a morte de células do fígado e que a dependência do álcool pode acelerar este processo e mais facilmente levar à fibrose hepática grave. A toxicidade para o fígado de medicamentos antirretrovirais também pode ser agravada pelo álcool.

“Nós mostramos que há um risco muito maior para os co-infectados em comparação com pessoas não infectadas, para todos os níveis de consumo de álcool – do uso “não perigoso” até o perigoso/binge, uso abusivo e dependência”, disse o autor sênior Vincent Lo Re, professor assistente de Medicina e Epidemiologia da divisão de Doenças Infecciosas e do Departamento de Bioestatística e Epidemiologia da Universidade da Pensilvânia e médico infectologista no Centro Médico de Assuntos de Veteranos da Filadélfia. “Essa descoberta destaca o quanto é importante que os clínicos ofereçam aconselhamento para pacientes co-infectados para que estes reduzam o consumo de álcool. Mais comunicação e educação sobre os riscos do álcool podem levar os pacientes a reduzirem o consumo ou pararem completamente este uso, o que vai ajudá-los a reduzir a incidência de complicações”.

Poucos estudos têm investigado a associação entre álcool e doença hepática em pacientes co-infectados com HIV e HCV, e nenhum deles comparou os riscos com pessoas não infectadas.

Para o estudo, os pesquisadores, dentre eles o autor principal Joseph K. Lim, da Escola de Medicina da Universidade de Yale e do Sistema de Saúde de Temas de Veteranos de Connecticut, realizaram um estudo transversal com 7.270 participantes do Estudo das Tropas de Veteranos Seniores: 701 deles estavam co-infectados com HIV e com HCV; 1410 estavam infectados somente com HIV; 296, somente com HCV; e 1.158 não estavam infectados. O consumo de álcool foi determinado pelos questionários e diagnósticos de abuso e de dependência do Teste de Consumo para Identificação de Distúrbios do Uso do Álcool e classificados como uso não perigoso, uso perigoso/binge e diagnósticos relacionados ao álcool.

A equipe descobriu que, independentemente do status de infecção por HIV ou HCV, a prevalência de fibrose hepática avançada aumentou à medida que a categoria de uso de álcool aumentava. No entanto, as associações mais fortes foram observadas em pacientes co-infectados em todas as categorias de álcool em comparação com não-bebedores de risco não infectados.

Indivíduos co-infectados que faziam uso não perigoso da bebida tinham 13 vezes mais chances de desenvolver fibrose hepática avançada do que pessoas não infectadas que relataram fazer uso não perigoso. Doentes co-infectados com histórico de uso perigoso/binge tinham 17 vezes mais chances de desenvolver a doença, enquanto que aqueles que tiveram diagnóstico relacionados ao álcool tinham 21 vezes mais chances de desenvolver fibrose hepática avançada em comparação com os seus homólogos que faziam uso não perigoso e não estavam infectados com nenhum dos vírus.

“A diferença entre os grupos de co- infectados e não infectados foi gritante. Dada a prevalência do uso do álcool em indivíduos co-infectados, é importante determinar os padrões de uso de álcool, como, por exemplo, uso não perigoso e até mesmo uso binge, que tradicionalmente não se acreditava que estavam contribuindo para o desenvolvimento da fibrose hepática”, disse o Dr. Lo Re.
Autor:
OBID Fonte: Traduzido e adaptado de Medical News Today