Análise de onze genes prevê risco de alcoolismo e dá novos insights sobre biologia da doença

“Este grupo poderoso de apenas 11 genes pode identificar com sucesso quem pode vir a desenvolver problemas de abuso de álcool e quem não, em testes com três populações de pacientes em dois continentes, duas etnias e de ambos os sexos”, disse Alexander B. Niculescu III, Ph.D., pesquisador principal e professor associado de psiquiatria e neurociência médica na Escola de Medicina da Universidade de Indiana.

A análise dos genes é altamente precisa na identificação de alcoólicos a partir de grupos de controle populacionais, e não é tão precisa no nível individual, provavelmente devido ao grande e variável papel que o ambiente desempenha no desenvolvimento da doença em cada indivíduo, os autores observaram. No entanto, tal teste poderia identificar as pessoas que correm maior ou menor risco para desenvolver a doença.

“Já que o alcoolismo é uma doença que não existe se o agente exógeno (álcool) não é consumido, o uso de informação genética para informar as escolhas de estilo de vida pode ser muito poderosa”, escreveram os autores do estudo, publicado online na revista Translational Psychiatry.

“Acreditamos que este é o resultado mais interessante até agora no campo do alcoolismo e oferece uma abrangente – embora não exaustiva – janela para a genética e a biologia do alcoolismo”, disse o Dr. Niculescu.

O Dr. Niculescu, atual psiquiatra e pesquisador de desenvolvimento do Centro Médico Richard L. Roudebush para Assuntos de Veteranos de Indianópolis, advertiu que os testes genéticos indicam risco, não certeza, e que “os genes agem no contexto do ambiente”.

O álcool é legal, amplamente disponível e sujeito a publicidade e a pressões sociais, observou ele; mas sabendo que a pessoa tem uma predisposição genética para o abuso de álcool, a pesquisa pode incentivar mudanças de comportamento e de estilo de vida.

Os pesquisadores incorporaram dados de um estudo do genoma alemão do alcoolismo com dados de uma variedade de outros tipos de pesquisa sobre ligações genéticas ao alcoolismo, utilizando um sistema chamado Genômica Funcional Convergente. O trabalho reuniu um grupo de 135 genes candidatos.

Os pesquisadores, então, olharam para a sobreposição entre esses 135 genes e genes cuja atividade de expressão foi alterada em um modelo de ratos com estresse relativo ao alcoolismo – os ratos da pesquisa respondem ao estresse consumindo álcool. O modelo de ratos permite aos pesquisadores zerar genes-chave que impulsionam o comportamento sem a miríade de efeitos ambientais que estão presentes nos seres humanos.

A análise do modelo de ratos diminuiu o número de genes-candidatos para 11 de 66 variações dos genes chamadas polimorfismos de nucleotídeo único.

Os pesquisadores, então, determinaram que o grupo de 11 genes poderia ser usado para diferenciar alcoolistas de não-alcoolistas (controle) em três populações diferentes de pesquisa para o qual os dados genéticos e informações sobre o consumo de álcool estavam disponíveis: um grupo de indivíduos caucasianos e um grupo de afro-americanos dos Estados Unidos, e um terceiro grupo da Alemanha.

Muitos dos 11 genes também têm sido associados a outros distúrbios neuropsiquiátricos, incluindo dependência de cocaína, doença de Parkinson, doença bipolar, esquizofrenia e ansiedade – o que não é tão surpreendente, dado que a biologia básica do cérebro está envolvida, e as ligações entre doenças tais como o alcoolismo e distúrbio bipolar são clinicamente conhecidas há muitos anos, disse o Dr. Niculescu.

Alguns dos genes também apontam para possíveis caminhos futuros para tratamento e prevenção do problema, incluindo genes que desempenham papel importante nas atividades do ômega-3, os ácidos de gordura, para os quais há alguma evidência de controle de consumo de álcool em testes de laboratório anteriormente conduzidos pelo Dr. Niculescu e colaboradores.
Autor:
OBID Fonte: Traduzido e adaptado de Medical News Today