Ajuda para usuários de drogas

O Tempo
Serviço telefônico oferece orientações gratuitas para dependentes químicos e seus familiares.

Uma média de três mineiros foram atendidos por dia, de janeiro a julho deste ano, pelo Ligue 132, que presta ajuda a usuários de drogas e a seus familiares. O programa, intitulado Serviço Nacional de Informações e Orientações Sobre a Prevenção ao Uso de Drogas, é uma iniciativa do governo federal e, neste ano, já fez 16.113 atendimentos no país – sendo 687 deles em Minas.

Em todo o ano passado, os mineiros fizeram 1.752 pedidos de ajuda – média de 146 por mês –, o que colocou o Estado no quarto lugar em procura. Minas perde para São Paulo (4.528), Rio de Janeiro (2.138) e Rio Grande do Sul (2.099).

De acordo com o Ministério da Justiça, que coordena o projeto, o Ligue 132 integra o programa Crack, é Possível Vencer, e, por meio de atendimentos via telefone, oferece apoio gratuito e orientações quanto às possíveis formas de prevenção e tratamento da dependência química. Os atendimentos são baseados em entrevistas motivacionais com os usuários e seus familiares. A pessoa que liga, seja ela um amigo ou familiar do usuário, ou até mesmo o próprio dependente químico, não precisa se identificar.

Incentivo. Para o psiquiatra Valdir Ribeiro Campos, membro da Comissão de Controle ao Tabagismo, Álcool e Outras Drogas da Associação Médica de Minas Gerais, uma das maiores dificuldades para os dependentes químicos é a aceitação da doença e da necessidade de receber ajuda.

“É claro que esse serviço não vai tirar o paciente do mundo das drogas, mas poderá orientá-lo e orientar as famílias sobre a melhor forma de buscar ajuda, já que muitas vezes elas não sabem onde procurar”, disse.

O churrasqueiro Gustavo Henrique Leite, 34, teve seu primeiro contato com entorpecentes aos 8 anos. Na adolescência, passou a usar maconha e, mais tarde, cocaína e crack. Em 2009, decidiu procurar ajuda e se internou em uma clínica. Leite chegou a buscar orientações nos serviços via telefone e hoje está livre das drogas. “Existe saída para esse problema, é só o dependente químico querer mudar o seu comportamento”.

Serviço

Telefone. Para buscar ajuda pelo Serviço Nacional de Informações e Orientações Sobre a Prevenção ao Uso de Drogas, basta discar 132. 0 atendimento funciona 24 horas, é gratuito e sigiloso.