Uma única dose de antidepressivo pode mudar o seu cérebro, apontam cientistas

Uma única dose de antidepressivos pode alterar a comunicação entre os neurônios e interferir na arquitetura funcional do cérebro. A descoberta foi feita por cientistas do Instituto Max Planck, em Leipzig, Alemanha, que examinaram a atividade neurológica de 22 pessoas antes e depois da tomarem uma classe de antidepressivos.

Publicado no jornal Current Biology, o estudo demonstrou que, após o uso dessas substâncias, todos os participantes apresentaram alterações importantes na comunicação cerebral em poucas horas. Os cientistas observaram a redução de algumas funções cerebrais e o aumento de outras, no cerebelo, zona responsável pelo controle motor involuntário e equilíbrio.

A serotonina é um neurotransmissor muito importante na comunicação celular e o responsável, entre outros, pela boa disposição. Algumas drogas, como o êxtase, atuam precisamente sobre os receptores da serotonina, cujo decréscimo está associado a diversas doenças. O resultado obtido por este estudo pode vir a ajudar cientistas e médicos a elaborar com mais precisão a composição farmacológica dos antidepressivos e a estabelecer quais os princípios ativos mais adequados para cada estado depressivo.

O consumo de psicofármacos (entre eles estão os antidepressivos) tem aumentado em todo o mundo. Estima-se que 10% dos norte-americanos os tomam e em Portugal o seu consumo quase quadruplicou entre 2000 e 2013. O Infarmed (Autoridade Nacional do Medicamento) determinou que as causas para este aumento não estão relacionadas com a crise financeira, mas sim com a facilidade de acesso aos medicamentos.
Autor:
OBID Fonte: Observador.pt (com adaptações)