Estudo relaciona diferentes níveis do consumo de maconha

Novo estudo canadense, da “Schulich School of Medicine & Dentistry”, compara os efeitos do consumo de maconha em doses pequenas e elevadas. Os pesquisadores mostraram que os diferentes níveis de consumo da maconha produzem efeitos completamente opostos sobre os neurônios que regulam a resposta emocional do cérebro. As descobertas foram relatadas no veículo online “The Journal of Neuroscience”.

Em doses menores, a droga investigada causa paranoias; enquanto que, em doses maiores e a longo prazo, pode resultar em um comportamento apático e emocionalmente depressivo. O estudo foi realizado com animais que receberam uma pequena dosagem de um medicamento que imita a maconha. O experimento mostrou que os animais testados com uma dose baixa do medicamento tiveram aumento da memória associativa do medo, uma resposta emocional comparável à paranoia em seres humanos.

Quando os pesquisadores analisaram doses elevadas do mesmo medicamento, encontraram o efeito oposto: observou-se a falta de resposta ao medo, demonstrando um comportamento emocional depressivo.

O estudo constatou que os efeitos sobre a emoção justificam-se pela capacidade da droga de desligar os neurônios de dopamina no cérebro, a depender da dose. Com os resultados, foi possível identificar o córtex pré-frontal, uma região crítica do cérebro para controlar os distúrbios induzidos por maconha no processamento emocional através de uma modulação direta do sistema de dopamina do cérebro.

Perspectivas

Os pesquisadores também descobriram que o pré-tratamento com uma medicação antipsicótica foi capaz de evitar o medo e comportamentos induzidos por paranoicos em doses baixas. De forma semelhante, através do bloqueio de um receptor específico no cérebro, eles foram capazes de impedir a capacidade de doses mais elevadas para diminuir a resposta emocional.

Para os cientistas, este estudo tem implicações na identificação de meios farmacológicos potenciais para prevenir alguns dos efeitos colaterais indesejáveis da maconha.
Autor:
OBID Fonte: Medical News Today (com adaptações)