Uberaba possui 5 mil usuários de crack

Jornal de Uberaba
45% das cidades admitem carência na rede de tratamento.

Um policial militar, especialista em segurança pública e criminologia, que prefere ficar no anonimato, revela que, somente em Uberaba, são 5 mil dependentes do crack. Ele aponta que 80% se concentram no bairro Abadia. “Cerca de 60% são viciados há mais de 20 anos. Aproximadamente, 75% dos usuários de drogas são adolescentes, na faixa de 14 a 16 anos. Basta parar em semáforos para perceber que, entre os pedintes, sempre há um jovem, aparentemente, buscando trocados para comprar crack. Quase 80% já foram presos, envolvidos em pequenos delitos para manter o vício e a maioria consome cerca de 20 pedras por dia. Cerca de 45% das cidades admitem carência na rede de tratamento. Essas informações são da Confederação Nacional dos Municípios, Unifesp e Secretaria Nacional Antidrogas. Uma grande mentira é os municípios afirmarem que enfrentam o problema do crack”, enfatizou.

O policial pondera que os políticos deveriam agir mais e ter menos burocracia, pois, os Centros de Referência de Assistência Social (Cras) e a Secretaria de Desenvolvimento Social (Seds), não procuram uma parceria com a Polícia Militar para ter um reforço numa ação preventiva. “A polícia trabalha enxugando gelo, porque prende hoje e, amanhã, o sujeito está nas ruas. As ações dos nossos governantes e legisladores, as Secretarias de Saúde e prefeituras têm que reforçar o compromisso de agir no combate às drogas com ações de inteligência aliadas a um amplo trabalho de policiamento ostensivo e repressivo, para não dar descanso aos traficantes. Mas, lógico, isso tem que ter remuneração melhor, equipar e criar boas condições de trabalho para os policiais civis e militares”, avaliou.

O militar lembra que todos que estudam a questão da violência, ou até aqueles que acompanham o noticiário com mais atenção, sabem que a grande maioria dos crimes cometidos tem ligação com o crack e com reincidentes. “Não vamos ficar falando apenas de situações que envolvam entorpecentes, mas agressões contra crianças, violência contra idosos e mulheres, entre outros, também é preciso que a sociedade participe, denunciando esses crimes às autoridades. Trata-se de um dever cívico previsto na Constituição Federal e que deve ser colocado em prática. Uma simples atitude pode ser crucial para o bem-estar daquele que tem seus direitos violados”, ressaltou.

Seds – Em matéria publicada no JU no ano passado, as assistentes sociais da Secretaria de Desenvolvimento Social (Seds) revelaram, em uma pesquisa realizada, que a dependência química está diretamente relacionada à mendicância em Uberaba. “Segundo os dados, de 155 moradores de rua abordados nos últimos meses, 94 confessaram o uso regular de drogas”, enfatizou. (SN)
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)