Pesquisa: maioria dos usuários de cocaína tem problemas cardíacos, mas não sintomas

Folha.com
Segunda fase do estudo tentará determinar quais fatores que condicionam a afetação cardíaca

Ao todo, 71% das pessoas que consomem cocaína possuem algum tipo de afetação leve no coração, embora não apresentem sintomas, uma anomalia que caso se agrave pode provocar infarto ou morte súbita e que poderia ser revertida deixando de consumir a droga.

Essas conclusões fazem parte de um estudo apresentado nesta quinta-feira (6) em Valência, que conseguiu quantificar a magnitude do efeito que o consumo de cocaína produz no sistema cardiovascular e detectá-lo em pacientes assintomáticos por meio de técnicas de imagem.

A pesquisa foi feita em 94 pessoas, sendo 81 homens, com a participação do Eresa Grupo Médico, três hospitais valencianos e um de Londres. O resultado foi publicado na revista científica “Journal of Cardiovascular Magnetic Resonance”, e é a primeira pesquisa destas características que analisa de forma global todas as cavidades do coração e a aorta em pacientes assintomáticos.

A cardiologista Alicia Maceira, coordenadora da Unidade de Imagem Cardíaca do Eresa, afirmou à Agencia EFE que os dados preliminares são “promissores”, já que, ao deixar de consumir cocaína na fase inicial da doença, “é possível reverte o dano miocárdico e normalizar a função do coração”.

Após utilizar uma técnica de imagem de cardio-ressonância magnética, se estudou o tamanho e a função do coração das pessoas que participaram da pesquisa e se pôde detectar danos leves localizados no miocárdio de 71% delas. Uma segunda fase do estudo tentará determinar quais são os fatores que condicionam a afetação cardíaca nos usuários de cocaína, que fatores de consumo (via, dose ou anos de ingestão) influem em sua aparição ou se a doença é reversível quando deixam de consumir a droga e têm um manejo cardiológico adequado.

Em uma terceira fase, o objetivo é estudar por meio de coronariografia não-invasiva (CTC) o efeito do consumo de cocaína nas coronárias de pessoas viciadas não fumantes, viciadas fumantes e fumantes não consumidores de cocaína. O perfil do paciente estudado é o de pessoas que foram a alguma Unidade de Conduta Adictiva (UCA) de Valência buscando acabar com sua dependência à cocaína.

Segundo Alicia Maceira, o objetivo do estudo é alertar às pessoas que querem deixar de consumir cocaína a que procurem um cardiologista, embora estejam assintomáticas.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)