O adolescente e as drogas

Diário da Manhã
Um dos maiores problemas que estamos enfrentando no seio da sociedade, é a utilização das drogas pelos adolescentes. Sabemos que este problema é de difícil solução e as suas causas são várias.
Neste artigo vamos analisar algumas delas para que os pais possam estar ajudando os seus filhos a prevenirem este mal.

Em nossas atividades profissionais costumamos dizer para pais e adolescentes que o caminho das drogas é muito fácil de entrar e muito difícil sair. É como pular num poço fundo e para sair dele só dispor das mãos para se agarrar nas bordas do poço.

O adolescente se droga por vários motivos, dentre os quais se destaca a baixa autoestima que leva a um sentimento de inadequação, de desajuste diante das várias situações que a vida exige dele. Normalmente ele ver na droga uma fuga dos problemas que ele não quer enfrentar como o relacionamento familiar difícil, dificuldades nos estudos, problemas com os amigos, etc. A droga é vista como a solução mágica que faz desaparecer os problemas instantaneamente, onde durante algum tempo ele vai se “livrar” dos mesmos, mesmo sabendo que eles surgem depois com toda a força.

Muitas vezes esta atitude de fuga o adolescente aprende com os próprios adultos, e muitas vezes com os próprios pais. É que muitos adultos se habituam em qualquer motivo a fazerem uso de medicamentos como o lexotan, o vallium, dentre outros remédios para se “livrarem” das suas ansiedades, insônias e outras neuroses. Com este comportamento estão ensinando ao jovem que sempre há uma “solução” fácil e rápida para os problemas.

Outro mal exemplo que o jovem encontra, muitas vezes, dentro de casa é a utilização das bebidas alcoólicas, que são usadas “socialmente”.

As bebidas ficam em lugar de destaque na própria sala de visitas em garrafas decoradas, ou colocadas na geladeira para que assumam uma temperatura adequada para acompanhar os momentos de lazer. Outras vezes o que é utilizado são os cigarros, como se fossem um vício inocente.

Não é por acaso que a iniciação às drogas, induzida pela curiosidade, se dá pelo uso do álcool e dos ci-garros e que o próximo passo é o uso da maconha, que é seguida pela cocaína, lança-perfumes, crack, etc.

É indispensável oferecer ao jovem valores positivos, preparando-o para os saudáveis relacionamentos sociais, evitando que permaneça em isolamento que o empurrará para as fugas, quase sempre sem volta, do uso das drogas de todo tipo, pois que essas fugas são viagens para lugar nenhum.

Em todo esse conflito e fuga pelas drogas, o amor desempenha papel fundamental, seja no lar, na escola, no grupo social, no trabalho, em toda parte, para evitar ou corrigir o seu uso e o comprometimento negativo.

O amor carrega em si o mecanismo eficaz de dar segurança e resistência a todos os indivíduos, particularmente os jovens, que mais necessitam de atenção, de orientação e de assistência emocional com naturalidade e ternura.

Diante, portanto, do desafio das drogas, a terapia do amor constitui recurso de urgência que não deve ser adiado a pretexto algum, sob pena de agravar-se o problema, tornando-se irreversível e de efeitos destruidores.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)