Brasileiro morto no México usou drogas e teve ´delírio de perseguição`

Folha – UOL
Um “delírio de perseguição” que seria resultado “de abuso de drogas e de álcool” levou dois irmãos de Santa Catarina a dizer que sofriam ameaça de sequestro na região de Cancún, no México.

A conclusão é da polícia mexicana, segundo a Procuradoria-Geral de Justiça de Quintana Roo, Estado ao qual pertence Playa del Carmen e onde estavam os irmãos Dealberto Jorge da Silva Júnior, 35, e Fernando Luís da Silva, 33.

O mais velho morreu após cair de um prédio na madrugada de domingo (11).

Segundo boletim do órgão divulgado nesta quarta (14), o resultado das investigações aponta que Dealberto morreu por fratura crânio-encefálica após uma queda acidental.

O procurador Gaspar Armando García Torres concluiu que “nunca existiu ameaça de sequestro e que tudo foi uma paranoia que sofreram devido ao consumo excessivo de droga e álcool”, o que Fernando admitiu em depoimento.

Apesar de questionada pela Folha, a Procuradoria não menciona no documento se a conclusão foi confirmada por exame toxicológico no corpo da vítima.

O comunicado afirma que os irmãos estavam instalados em um hotel de Playa del Carmen e que aceitaram hospedar uma mulher russa identificada como Ekaterina Vasileva a pedido de um amigo.

Ela disse à polícia que, depois de romper com o namorado, um amigo brasileiro pediu aos irmãos catarinenses que a hospedassem.

Com base em relatos de testemunhas, a polícia concluiu que, na madrugada de sábado (10), véspera da morte, os irmãos saíram com Ekaterina e outro brasileiro e consumiram “álcool em excesso e vários tipos de drogas”. Fernando admitiu o fato às autoridades e contou que discutiu com Ekaterina depois disso “por razões sem sentido”.

Quando empregados do hotel pediram calma, eles correram. À noite, no hotel, combinaram de se desfazer de seus celulares para evitar serem rastreados e de seus sapatos para não serem identificados. Como continuavam com a ideia de perseguição, se separaram para tentar se esconder.

Antes disso, Fernando enviou uma mensagem de celular a um familiar, dizendo temer um sequestro.

Fernando também disse à polícia que, do esconderijo, notou a movimentação de patrulhas e soube que uma pessoa havia morrido, supondo que se tratava de seu irmão.

A seguir, foi de táxi até Cancún, onde perambulou até seu dinheiro acabar. Depois, ligou para um amigo, que contatou uma pessoa para ajudá-lo.

Ele admitiu, segundo a polícia mexicana, que “nunca houve sequestro nem perseguição, mas que tudo foi resultado do efeito das drogas”.

TESTEMUNHA

Além do depoimento de Fernando, o boletim da Procuradoria-Geral cita relatos de um morador do prédio de onde caiu Dealberto.

Segundo Richar McCarthy, por volta de 23h45 de sábado ele estava em casa quando ouviu ruídos no topo do prédio e viu uma pessoa apoiada no corrimão da escada. Entrou em casa e, 20 minutos depois, foi avisado por um vizinho que havia alguém caído. Ao se aproximar, reconheceu o homem.

A reportagem não conseguiu ouvir familiares dos catarinenses para repercutir a conclusão da polícia mexicana. O corpo de Dealberto foi cremado no México, segundo o Consulado-Geral do Brasil naquele país. Fernando deve voltar ao Brasil no domingo (18).
Fonte:UNIAD – Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas