Cinco novas formas de o tabaco matar

Observador On-line
Especialistas compararam uma amostra de fumadores e não fumadores. Cruzaram comportamentos com doenças e descobriram mais cinco doenças a que os fumadores estão mais suscetíveis do que quem não fuma

Não é preciso informá-lo de que fumar mata. Por mais que tente esconder o maço de tabaco ou comprar capas coloridas, os avisos estão lá. Não há como fingir que nunca os leu. Mas o estudo que se segue vem dar-lhe mais cinco más notícias, numa outra tentativa de o dissuadir a fumar. Sabia que um estudo americano descobriu mais cinco doenças (além das 21 já descobertas) provocadas pelo tabaco?

Antes do estudo levado a cabo por investigadores da Sociedade Americana do Cancro, segundo o The New York Times, havia já registo de meio milhão de mortes por anos nos Estados Unidos por causa do tabaco. 21 doenças conhecidas, incluindo 12 tipos de cancro, eram já tidas como verdadeiras sentenças de morte para quem não prescinde da nicotina. Agora são mais cinco as doenças conhecidas, o que significa mais 60 mil mortes por ano.

Nos últimos dez anos, os especialistas seguiram os comportamentos e as doenças associadas de cerca de um milhão de pessoas: 421 378 homens e 532 651 mulheres, incluindo 89 mil fumadores. E analisando as mortes (181 377) registadas entre 2000 e 2011 concluíram que os fumadores tinham duas vezes mais probabilidade de correr riscos que os não fumadores não correm. São elas:

1. Doenças Arteriais

2. Ataques Cardíacos

3. Acidentes Vasculares Cerebrais (AVC)

4. Doenças Respiratórias (que até aqui não estavam associadas ao uso do tabaco)

5. Isquémia Intestinal, uma doença rara no intestino, causada pelo insuficiente fluxo sanguíneo (aqui a probabilidade é seis vezes superior)

A investigação baseou-se, no entanto, na correlação e não numa relação de causa e efeito.

“A epidemia do tabagismo é uma realidade e há uma necessidade de avaliar como o tabagismo está a prejudicar-nos como sociedade para apoiar os médicos e a implementação de políticas de saúde pública”, diz Brian Carter, epidemologista na Sociedade Americana do cancro e um dos autores do estudo publicado no New England Journal of Medicine.

Cerca de 42 milhões de americanos fumam. Tendo em conta que é considerado fumador todo aquele que fumar, pelo menos, 100 cigarros durante a sua vida. 20 em cada 100 homens fuma, 15 em cada 100 mulheres também, segundo o Centro de Prevenção e Controlo da doença. Brian Carter refere que o estudo concluiu que quem fuma tem uma taxa de mortalidade duas a três vezes superiores a quem não fuma. E que morre mais de dez anos antes.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)