Cedrogas e Senad dialogam com comunidades terapêuticas

A Coordenadoria de Enfrentamento às Drogas (CEDrogas) participou, nessa terça-feira (3), de uma reunião da Federação Norte e Nordeste das Comunidades Terapêuticas (CT) com o secretário Nacional de Políticas Sobre Drogas, Vitore Maximiano, no auditório do Centro Pastoral Paulo VI.

De acordo com o coordenador Sâmio Falcão, a CEDrogas tem trabalhado para a implementação das políticas sobre drogas no Estado no âmbito da prevenção, tratamento e reinserção social e dentre os tantos eixos tem apoiado o trabalho das Comunidades Terapêuticas. “Temos trabalhado essa parceria com as CTs, através da Fennoct, para juntos fortalecermos esse trabalho voltado em especial para as pessoas mais fragilizadas. A CEDrogas reconhece a importância do trabalho, e ajudaremos levando em conta dois importantes princípios, o da legalidade e o da transparência, pois quem está legal quer transparência”, explica.

O Governo do Estado vai lançar, ainda em março, um edital para o financiamento de vagas, que juntamente com o Senad ampliará para 500 o número de vagas financiadas nestas instituições. O secretário nacional de Políticas Sobre Drogas, Vitore Maximiano, disse que a intensificação dessas parcerias visa ao acolhimento digno e que a política nacional está mudando.

“O Brasil demorou a entender a complexidade do assunto drogas, há a necessidade de uma oferta consistente de uma rede de atendimento ao dependente químico. Muitos não necessitam de cadeia, necessitam de apoio e de uma oferta de serviço estruturada, seja uma oferta pública ou suplementar como forma de garantir um tratamento cuidadoso que garantam cuidados e preservação dos seus direitos. Isso não acontece da noite para o dia, estamos falando de uma rede especializada e que as pessoas tenham compreensão que a dependência de drogas é uma doença que tem um processo difícil de recuperação, que não há protocolos definidos e envolve muitos setores e integra a rede SUS e de Assistência Social, redução de danos, educação dentre outros. O acolhimento voluntário é a essência das CTs e se alguém se dispõe a trancar um dependente envolve risco para o dependente para quem tranca, por isso a necessidade da regulamentação das CTs”, explica.

O secretário Vitore Maximiano se disse entusiasmado com os rumos da política sobre drogas no Piaui e, principalmente, com a sensibilidade do governador Wellington Dias. “A expectativa é que continuemos estruturando esse caminho, contamos com os nossos parceiros dialogando e vencendo essa resistência quantos aos espaços de acolhimentos e proteção”, disse.

Para o presidente da Fennoct, Célio Barbosa, esse trabalho integrado não beneficia apenas as CTs, mas a população. “Esse diálogo e aproximação é importante ao nosso lema, que é juntos somos mais fortes, e temos trabalhado o fortalecimento das CTs e da Política sobre Drogas, esse reconhecimento do trabalho vem fortalecer as CTs”, diz.

O Conselho Estadual de Políticas sobre Drogas (CEPD) também esteve presente nesse diálogo e informou que entre 16 e 18 de março estará visitando as comunidades terapêuticas para a emissão do parecer que habilita concorrer a editais. A presidente do Conselho, major Elizete, explicou que o Conselho estadual, antes de ser fiscalizador, está para somar e é parceiro das CTs.
Autor:
OBID Fonte: piaui.pi.gov.br