Serviço de orientações sobre drogas atendeu 7 mil pessoas no 1° trimestre de 2015

No primeiro trimestre de 2015, o Serviço de Orientações e Informações sobre Drogas (Ligue 132) atendeu cerca de 7 mil pessoas em todo Brasil. Assim como no ano passado, a cocaína e seus derivados, como o crack, continuam sendo o principal motivo de procura do serviço, totalizando 2.957 atendimentos. Esse número representa 42% das ligações recebidas nos últimos três meses. Desde 2014, a cocaína é a mais questionada no serviço, superando o álcool, que até 2013 representava a maioria das ligações. De acordo com a coordenadora do Serviço, Maristela Ferigolo, para atender essa demanda, o Ligue 132 conta com um serviço especializado para casos de cocaína, além de outras drogas. “Nossos profissionais recebem treinamento continuado, sendo capacitados para atender tanto usuários de qualquer substância, quanto familiares. O atendimento é personalizado”. A maconha foi a única substância que registrou aumento de 3% no volume de ligações em comparação ao mesmo período do ano passado. Para a supervisora Mariana Benchaya, a maioria dos usuários da substância que busca o serviço é poliusuário. “Nesses casos, os atendimentos focam na identificação dos problemas desses indivíduos em interromper o consumo de maconha associado a outras substâncias”. Os usuários de drogas foram os que mais procuraram ajuda do serviço no período, foram registradas 2.833 ligações, cerca de 40% do total de atendimentos. Já os familiares que buscam ajuda e orientações em como conversar com um usuário totalizaram 1.851 atendimentos, cerca de 26%. O restante das ligações divide-se entre amigos (3%), pessoas que não quiseram ser identificadas (28%) e entre outros (3%). Nesse período foram atendidas 4.316 (61%) pessoas do sexo masculino e 2.642 (39%) do feminino. Em relação a idade, 36% informaram ter mais de 35 anos, 19% entre 25 e 34 anos, 10% jovens entre 18 e 24 anos e 6% relataram ter menos 18. São Paulo e Rio de Janeiro foram os estados que mais tiveram ligações, com 884 e 708 respectivamente.
Autor:
OBID Fonte: Senad/MJ