Veja os efeitos do álcool na saúde

Bem-Estar
Existe dose segura? Número de brasileiros que bebem cresceu bastante nos últimos anos.

Aquela confraternização, aquele happy hour, aquele encontro amoroso… Geralmente, em momentos assim sempre tomamos uma cervejinha, um vinho, alguma bebida alcoólica. O número de brasileiros que bebem cresceu bastante nos últimos anos. Mas qual o limite? Existe a dose segura?

O Bem Estar desta quinta-feira (7) falou sobre isso. Participaram do programa o doutor José Mauro de Lima, neurologista da UFRJ e especialista em álcool, o doutor Herman Grinfeld, secretário do Grupo de Estudos do Alcoolismo na Gravidez da Sociedade de Pediatria de São Paulo, e o hepatologista Mario Kondo.

Não existe a teoria sobre bebida forte e fraca. Tudo é uma questão de quanto se bebe. E quanto mais rápido você bebe, pior o efeito. A quantidade de álcool que o organismo tolera varia, mas existe um nível apontado como tóxico pelos especialistas: para os homens, cinco doses em duas horas; para as mulheres, quatro doses no mesmo período. “Depende do tamanho da pessoa, se é homem ou mulher. A quantidade de álcool que fica no sangue da mulher é maior”, explica a pesquisadora da UNIFESP Clarice Sandi Madruga.

O álcool não é um problema só dos alcoólatras. Mesmo quem não tem a doença e que acha que bebe socialmente pode estar bebendo acima da conta. De acordo com uma pesquisa da Unifesp, comparando 2006 com 2012, o beber muito em uma só ocasião cresceu 31% na população em geral.

E tem gente que não pode beber durante um período, por exemplo as grávidas. O álcool pode desencadear a Síndrome Alcoólica Fetal, que pode levar a malformação e/ou atrasos no desenvolvimento mental. Ela atinge de um a três de cada grupo de mil nascidos vivos. Os danos também podem ser imperceptíveis.

O álcool pode matar. Seja em um acidente onde as pessoas beberam e dirigiram, seja pelos danos que ele causa ao fígado e cérebro. Ele é uma substância psicoativa que leva a uma gradual anestesia do corpo e, em grandes quantidades, pode sedar áreas vitais do cérebro e levar a uma parada cardiorrespiratória. Por isso, beba sempre com moderação.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)