Liberação da maconha no Uruguai não reduziu tráfico e aumentou os homicídios

site do deputado Osmar Terra
Quando o congresso do Uruguai aprovou a lei que liberou a maconha, havia a esperança da redução dos assassinatos e do tráfico de drogas. Pesquisa da Fundación Propuestas (Fundapro) aponta até o dia 17 de dezembro de 2015 houve 272 homicídios no país, um recorde se comparado com outros anos. Montevidéu registrou 170 e o Interior 104. Em 2014 foram 262 crimes de morte.

Segundo o Observatório Nacional Sobre Violência e Criminalidade do Ministério do Interior, no primeiro semestre já tinham sido superados os números de outros no mesmo período: 139 em 2013; 142 em 2014; 154 em 2015. Desde total, o acerto de contas entre traficantes representou 43% das ocorrências com morte.

Fontes do Ministério do Interior uruguaio lembram que o mercado inicial era, predominantemente, da maconha e crack, que logo foi reduzido a locais mais pobres. A cocaína passou à frente, enquanto que os traficantes de pasta base começaram uma guerra por territórios o que gerou o aumento assustador de assassinatos.

O deputado federal Osmar Terra (PMDB-RS), que esteve no Congresso Uruguaio em 5 de outubro de 2013 onde pediu a rejeição do projeto do lei que estava em análise, comentou:

– Confirmam-se as piores previsões. Os assassinatos decorrentes do tráfico não acabaram, pelo contrário aumentaram. Infelizmente, se o Presidente Vasquez não agir rápido, o Uruguai caminha para se transformar num narcoestado, resultado de uma lei inconsequente. Meu temor são as consequências do incremento do tráfico de drogas na fronteira com o Brasil, especialmente com o Rio Grande do Sul.
Fonte:UNIAD – Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas