Os filhos de pais que fazem uso problemático de álcool apresentam maior risco em idade adulta de transtornos mentais?

A literatura científica estabelece de maneira clara que filhos de pais que fazem uso problemático de álcool apresentam risco elevado de manifestar problemas relacionados à saúde mental. Esses problemas vão desde maior risco de desenvolvimento de uso abusivo e de dependência de álcool até depressão e delinquência. Ademais, há também problemas de socialização, menor desempenho escolar e mais problemas físicos. A origem dessas complicações é biopsicossocial, com destaque para a influência genética e familiar. Contudo, permanece incerto se o risco aumentado dessas sequelas vivenciadas pelos filhos de alcoólicas procede até a idade adulta.

Buscando responder essa questão, um grupo de pesquisadores holandeses investigou a saúde mental e física de 355 idosos (média de idade de 85 anos) residentes em casas de repouso de Amsterdã. Esse grupo de idosos foi avaliado quanto à presença de sintomas de doenças como depressão, transtornos de ansiedade, dependência de álcool, entre outros transtornos. Buscou-se também investigar se havia histórico familiar de uso problemático de álcool por parte de ao menos um dos pais dos entrevistados. Ademais, avaliaram-se as características sociodemográficas e a escolaridade da amostra.

Do total de 355 entrevistados, 21 sujeitos informaram ter tido pais com problemas relacionados ao uso de álcool. Curiosamente, os autores notaram que apenas 2 sujeitos fechavam diagnóstico para dependência de álcool, nenhum dos quais tivera pais que faziam uso problemático de álcool. Entretanto, observou-se que esses sujeitos apresentaram incidência significativamente maior de manifestação de quadros depressivos, em especial depressão maior.

Vale salientar que a amostra investigada era pequena, sendo assim susceptível a certos erros de amostragem. Essa possivelmente foi a razão pela qual não foi observada nenhuma relação entre presença de pais com uso problemático de álcool e incidência de alcoolismo em idade adulta pelos sujeitos. Por fim, os autores reforçam a necessidade de realização de mais estudos sobre o tema com amostras maiores a fim de compreender melhor a questão.
Fonte:CISA – Centro de Informações Sobre Saúde e Álcool