Adolescentes sentem mais prazer com drogas – e são mais inclinados ao vício


Revista Época – RAFAEL CISCATI
A inclinação dos adolescentes para o vício intriga a ciência. De acordo com um grupo de pesquisadores, a susceptibilidade é provocada pela falha na síntese de proteínas no cérebro

Usar drogas na adolescência costuma ser pior que usar drogas na idade adulta. A ciência sabe disso há tempos. No cérebro dosadolescentes, os danos provocados por essas substâncias costumam ser mais devastadores – elas podem fazer o órgão desviar de sua trajetória de desenvolvimento saudável, e provocar prejuízos duradouros. O uso de drogas na adolescência é considerado fator de risco para o desenvolvimento de transtornos mentais na maturidade, como esquizofrenia e transtorno bipolar. Os adolescentes também são mais vulneráveis ao vício. As razões dessa suscetibilidade são, por enquanto, um mistério. Um grupo de cientistas americanos diz ter uma explicação.

O professor Mauro Costa-Mattioli, da escola de medicina da universidade Baylor, ofereceu cocaína em pequenas concentrações para ratos adultos e adolescentes. A ideia era observar o cérebro dos animais enquanto eles estivessem sob o efeito da droga. Costa-Mattioli percebeu que, nos ratos jovens, a substância reprimia a ação de uma molécula chamada
eIF2. Ela é a responsável pela criação de algumas proteínas no cérebro. Quando para de funcionar, o funcionamento do cérebro muda. Alguns neurônios são ricos em dopamina, um neurotransmissor capaz de induzir a comportamentos frenéticos e,quando em excesso no organismo, à paranoia. Na ausência da eIF2 – ou quando ela para de funcionar por causa da droga – as conexões entre esses neurônio ficam mais fortes. O resultado é que o adolescente fica mais agitado, e sente mais prazer. “A maior comunicação entre esses neurônios ricos em dopamina faz a droga parecer ainda mais prazerosa, e encoraja novos comportamentos relacionados ao vício”, diz o professor Wei Huang, um dos cientistas que participam do estudo.

Para tirar a prova, os cientistas usaram engenharia genética e alteraram a síntese proteica no cérebro dos ratos adultos. Fizeram o cérebro se comportar como se a eIF2 não estivesse funcionando. Esses ratos se viciaram mais facilmente. Na contramão, os ratos jovens alterados para produzir proteínas normalmente desenvolveram resistência ao vício.

Os cientistas agora estudam como a eIF2 se comporta na presença de outras drogas. Os resultados foram semelhantes para nicotina. Os experimentos só foram realizados com ratos, e há a possibilidade de que os mecanismos que regem o cérebro dos humanos sejam diferentes. Os pesquisadores sustentam, no entanto, que imagens dos cérebros de pessoas de diferentes idades levam a crer que o processo é semelhante em humanos – e que esse conhecimento, um dia, poderá ser útil para o desenvolvimento de novos tratamentos contra o vício.
RC
Fonte:UNIAD – Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas