Avaliação neuropsicológica das funções executivas de mulheres em estado de dependência química

Introdução: O funcionamento executivo preservado para a manutenção de comportamentos adaptativos é condição necessária para obtenção de desfechos clínicos favoráveis no tratamento de sujeitos em dependência química. A confirmação da hipótese de disfunção executiva pode fornecer subsídios ao tratamento comportamental, do sujeito com dependência química.

Objetivo: O estudo consistiu na realização de uma avaliação neuropsicológica das funções executivas de mulheres dependentes químicas de cocaína ou crack. Método: A avaliação se deu através de anamnese/exame clínico, entrevistas e testes neuropsicológicos. Para a caracterização da amostra foi utilizado o Protocolo de Anamnese Neuropsicológica. A avaliação neuropsicológica das funções executivas consistiu da aplicação do Wisconsin Card Sorting Test (WCST), Subteste Dígitos-Wechsler Adult Intelligence Scale (WAIS-III), Blocos de Corsi, Trail Making Test (TMT), Stroop Test e o Montreal Cognitive Assessment (MoCA), a fim de investigar oitocomponentes executivos, a saber: memória operacional, flexibilidade cognitiva, categorização, fluência verbal, atenção seletiva e alternada, rastreamento visuomotor e controle inibitório. Resultados: Os resultados permitiram concluir que mulheres com dependência química, pelo uso de cocaína e crack, apresentam disfunção executiva. Foram encontradas relações clinicamente significativas entre tempo de uso e déficits do funcionamento executivo, indicando que quanto maior o tempo de dependência, mais expressiva a disfunção executiva.

Veja Aqui o Artigo na Íntegra