Estudo descritivo sobre comorbidades em pacientes internados de forma voluntária e involuntária para tratamento da dependência química


Rogério Adriano Bosso
Suely Gonçalves Costa
O presente artigo buscou verificar as prevalências e realizar uma análise descritiva de pacientes do sexo masculino, com idade superior a dezoito anos com indicadores de ansiedade e depressão em tratamento para a dependência química, que foram internados de forma voluntária e involuntária e que estão com um tempo mínimo de internação de quarenta e cinco dias. O objetivo foi comparar os níveis de ansiedade e depressão nos diferentes modelos de tratamento. Utilizou-se como referência um questionário sobre as características socio-demográficas, incluindo o consumo de substâncias lícitas e ilícitas e a escala de rastreamento de depressão e ansiedade HADS (Hospital Anxiety and Depression Scale) nos participantes. A metodologia utilizada foi a aplicação da escala HADS e o questionário sobre as características socio-demográficas em paciente internados de forma voluntária no Instituto Padre Haroldo em Campinas, interior de São Paulo e em paciente internados de forma involuntária no Instituto Bairral de Psiquiatria em Itapira, interior de São Paulo, e posterior comparação dos dados coletados. A partir da aplicação e análise dos dados coletados, percebeu-se que a prevalência dos indicadores de ansiedade e depressão são maiores nos níveis leve e grave em pacientes internados de forma involuntária e maiores no nível moderado em pacientes internados de forma voluntária.
Veja Aqui o Artigo na Íntegra