Relação da cultura com consumo de bebidas alcoólicas entre estudantes universitários árabes

A religião exerce grande influência sobre a tradição do consumo de bebidas alcoólicas. Os baixos índices de consumo de álcool nos países muçulmanos são um exemplo clássico da religião como fator de proteção para os problemas decorrentes do consumo de álcool. Esta pesquisa investigou se a formação religiosa se sobrepõe à influência dos amigos para o consumo de álcool entre jovens.

Vários estudos têm investigado o papel da cultura e da religião na determinação dos comportamentos de beber. A presente pesquisa teve como objetivo investigar o consumo de álcool entre muçulmanos residentes em um país com altas taxas de consumo de bebidas alcoólicas e de problemas decorrentes deste consumo.

Participaram da pesquisa 358 estudantes da Universidade Estadual de Medicina de Grozny – Belarus, provenientes de países árabes de religião muçulmana (Síria, Kuait, Líbano e Palestina).

Para a avaliação dos estudantes foram utilizados os instrumentos: AUDIT (Alcohol disorder identification test) , MAST (Michigan Alcohol Screening Test), CAGE e também o CID-10.

Os autores dividiram os estudantes em três grupos de acordo com suas atitudes com relação ao consumo de bebidas alcoólicas: abstêmios (55%), usuários de álcool que não apresentavam problemas (30%) e os que foram diagnosticados, em pelo menos um dos instrumentos de avaliação, como usuários de álcool que apresentavam problemas (15%).

O ano que os alunos frequentavam na universidade mostrou a associação com os diferentes padrões de consumo de álcool. Entre os estudantes do primeiro e segundo anos, a prevalência de uso corrente de álcool foi de 14%, entre os alunos do terceiro e quarto anos foi de 35%, e para os estudantes do quinto e sexto anos foi de 63%.

Os autores concluíram que os estudantes muçulmanos, em geral, assimilaram certos elementos da cultura do país onde residiam e, particularmente, as tradições quanto ao consumo de bebidas alcoólicas. Os resultados sugerem a importância dos fatores culturais e religiosos sobre os padrões de consumo de álcool. Ao mesmo tempo, parece que o mais poderoso preditor de consumo de álcool não é a religião, e sim, a rede social de relações.
Fonte:CISA – Centro de Informações Sobre Saúde e Álcool