Programas de tratamento para dependência de álcool exclusivos para mulheres versus programas mistos

Existem algumas evidências de que mulheres que apresentam dependência de álcool necessitam de um tratamento exclusivo para elas, separado dos pacientes do sexo masculino.

Poucos estudos, no entanto, foram realizados para comparar os resultados de tratamentos exclusivos para mulheres com tratamentos mistos, nos quais homens e mulheres participam ao mesmo tempo.

Os autores citam como o único exemplo de um estudo epidemiologicamente rigoroso que comparou os resultados dos dois modelos de tratamento, uma pesquisa realizada na Suíça, entre os anos de 1983-1984. Os resultados mostram que depois de 2 anos do final do tratamento, as mulheres que haviam participado do modelo exclusivo para elas, apresentaram melhores resultados quanto ao consumo de álcool e ao ajustamento social do que as que haviam participado do tratamento misto.

Já a pesquisa relatada nesse artigo comparou um grupo de tratamento exclusivo para mulheres com os 3 outros grupos de tratamento misto. Comparou também os quatro tratamentos quanto aos seus resultados e custos ao final do tratamento, depois de seis meses e depois de um ano.

Participaram do estudo 122 mulheres divididas, por sorteio, em 4 grupos diferentes: um de tratamento exclusivo para mulheres em um centro comunitário, dois de tratamento misto também em centros comunitários e um de tratamento misto ambulatorial em um hospital.

Os pesquisadores não encontraram diferenças estatisticamente significantes entre o programa exclusivo para mulheres e os programas mistos quanto à severidade de transtornos psiquiátricos, problemas com a família e amigos ou as taxas de uso de drogas nas avaliações subsequentes ao final do tratamento. No entanto, a taxa de abstinência de álcool foi maior entre as mulheres que realizaram o tratamento ambulatorial hospitalar misto do que entre as mulheres que receberam o tratamento misto ou exclusivo em centros comunitários.

Surpreendentemente, as análises estatísticas mostraram que, comparadas às mulheres que receberam os tratamentos mistos, as mulheres que receberam o tratamento exclusivo em centro comunitário foram as que apresentaram as menores taxas de abstinência.

Quanto aos custos, o tratamento hospitalar custou em média 1212 dólares (duração de três semanas) contra 543 dólares para os tratamentos em centros comunitários (duração de três a seis semanas).

Os autores concluíram que o modelo misto é tão eficaz quanto o exclusivo para o tratamento dos problemas de dependência álcool e outras drogas entre mulheres.
Fonte:CISA – Centro de Informações Sobre Saúde e Álcool