Cerveja e vinho tinto: alguns efeitos sobre a pressão arterial

Alguns consumidores de bebidas alcoólicas acreditam que os agentes antioxidantes presentes no vinho tinto podem agir contra as consequências do aumento da pressão sanguínea. A fim de estudar tal relação, Zilkens e colaboradores avaliaram uma amostra de 24 homens saudáveis, não tabagistas, com idade variando entre 30 e 65 anos e que faziam uso diário de bebidas alcoólicas. Vale ressaltar que todos os indivíduos apresentavam pressão sanguínea normal e não apresentavam histórico de problemas cardiovasculares.

O experimento começou com uma abstinência de duas semanas seguidas por um mês de abstinência, ou de ingestão diária de 375 ml de vinho tinto, ou 375 ml de vinho tinto sem álcool ou de 1125 ml de cerveja. Todos os sujeitos foram monitorados durante 4 meses de experimento.

O consumo de cerveja esteve associado a aumento da pressão arterial sistólica em 2,9 mmHg. Os indivíduos que ingeriram vinho tinto, apresentaram um aumento na ordem de 1,9mmHg na pressão sistólica. A cerveja aumentou o batimento cardíaco em cinco batimentos por minuto e o vinho em 4 batimentos cardíacos por minuto.

Os autores advertem que pessoas hipertensas ou com história familiar de hipertensão não devem consumir mais do que duas unidades de bebida alcoólica por dia independente do tipo de bebida (destilados ou fermentados).
Fonte:CISA – Centro de Informações Sobre Saúde e Álcool