A dependência química aumenta apesar de tanto acesso à informação


A dependência química é algo bastante preocupante e apesar de tantas informações as pessoas usam e continuarão usando drogas. Não nos esqueçamos que primeiramente a palavra droga nos remete a algo ruim, e o que dizem sobre esse tema sempre nos apresentam aspectos destrutivos e nocivos.

Não devemos esquecer de que a droga é “boa” inicialmente para quem usa, ela traz um prazer físico, mental, um bem estar psicológico e, claro que essa sensação vai mudando conforme a sequência, a quantidade e a forma de uso da pessoa, mas ela proporciona um bem estar temporário então é boa pra quem está usando, caso contrário usaria, primeiramente temos que enxergar essa questão.

Outra questão que devemos lembrar é de que em toda a história da humanidade (sociedade, desenvolvimento), o uso do marketing, da valorização do bem estar, vem primordialmente antes do respeito à pessoa. E temos o forte apelo das imagens nos desenhos, nas propagandas, de várias marcas de cigarro.

E levantaremos algumas questões, por exemplo: quem não lembra do Popeye que fazia uso do espinafre para ficar forte, pois ele era um velhinho e lutava contra o Brutus para defender-se e ficar com sua amada Olivia. Logo, como ensinado lá no desenho que se você come algo que lhe dá força, terá energia, será forte e poderoso. E aquela propaganda de cigarro, onde surge um homem montando um belo cavalo, cavalgando por belas montanhas, vendendo a ideia de liberdade, bem estar, num cenário grandioso… Acaba sendo mais um incentivo.

A empresa do Marketing incentiva à busca do bem estar

Ainda observando como são as propagandas, você nunca verá pessoas reunidas para consumir cerveja ou outras bebidas alcoólicas que estejam tristes, feios ou sozinhos, não! São imagens que sempre mostram que as pessoas que bebem estão bem acompanhadas, belas mulheres, locais lindos como a praia, baladas, bares, etc. Mostra tudo como se fosse somente bom, prazeroso e encantador. E nisso é vendida a sensação de prazer, de relacionamentos perfeitos, de bem estar, de estar tendo convivência social naturalmente, descontraído. Então se eu bebo consigo me relacionar, consigo me soltar, consigo ser feliz.

Devido à essa massiva campanha de marketing, acabamos por aceitar como cultura coletiva, do inconsciente, onde vamos absorvendo essas informações que vão penetrando no modo como vamos seguindo a vida.

Outra questão que é importante saber que os adolescentes e jovens buscam, inicialmente o uso das drogas pela curiosidade. Esses dias tive a oportunidade de participar de um grupo de discussão e através de palestras conheci o Weliton, e ele me disse algo interessante, “ quando você tem um grupo de amigos, e um destaca-se por ser o mais descolado, mais extrovertido, quando ele chega no grupo, de maneira diferente, os outros começam a perguntar como verdadeiros jornalistas, fazendo uma entrevista:

– E aí, porque você está diferente? O que está acontecendo? O que você fez?”

E assim o amigo acaba oferecendo e compartilhando as drogas ao seu filho porque ele é o mais próximo dele.

Outra questão com a curiosidade, é que o mesmo jovem descolado, ele acaba se desviando, ele vai encarando novos desafios e não tem muito limite. É importante que o adolescente o jovem seja independente mas o fato de desafiar e romper os limites trazem grande riscos de vir a ser um dependente pois a ideia é: “ porque vou usar, não vai acontecer nada comigo” e claro entrar na droga é muito fácil e o difícil depois é sair.

Temos que ter um olhar atento a timidez que observa-se em alguns adolescentes e jovens, pois aquele adolescente que é muito quieto, tem dificuldade de se comunicar, não consegue enturmar-se em algum grupo, então o uso das drogas acaba sendo um motivo para criar e estabelecer essas relações.

Os modelos Familiares influenciam no estilos de seus filhos

Sobre todos esses aspectos que favorecem o uso de drogas, mesmo que tenham diariamente notícias trágicas e terríveis, existe outra relação que não devemos esquecer: os modelos de famílias.

Devemos tratar com cuidado diferenciado a família para que não se sintam culpadas e comecem a se cobrar demais, lembrando que o modelo de família exageradamente estruturado pode trazer algum tipo de alteração no comportamento do adolescente, ou daquele jovem pelo excesso de preocupação, de superproteção resolva dar o seu “grito de liberdade”.

E por outro lado, o modelo de família desestruturado, onde não funcionam os papéis de cada membro da , não se tem as funções básicas de proteção das crianças e dos adolescentes pode proporcionar a busca do uso das drogas devido à sua total liberalidade.

Porque os dois modelos de família, sendo estruturado ou não, vem como referência para nós, desde quando nascemos, somos criados e vamos crescendo trazendo essa referência como modelo para nossas vidas.

E se, em algum deles, o adolescente não conseguir enfrentar os desafios, as situações que está vivendo, acabará por recorrer ao mecanismo do uso das drogas.

E por que devemos tomar cuidado com as famílias que desenvolvem o sentimento de culpa? Porque a desculpa usada (dos diferentes núcleos familiares) para usar a drogas não deve ser motivo para manter o uso da mesma. Nós todos temos dificuldades, pois no nosso amadurecimento enfrentamos desafios, como evolução enquanto pessoa, mas não devemos justificar as coisas erradas que nós vamos fazer por outras situações.

Devemos ter calma e clareza para aprender a separar tudo aquilo que é de nossa responsabilidade e também separar o que é responsabilidade do outro, do nosso filho, e daquilo que ele este escolhendo para a vida. Senão vamos atropelando as situações, não vamos conseguir lidar com aquilo está à nossa frente e facilitaremos a manutenção do uso das drogas.

Na sua vida a problema atingiu sua família? O desespero bateu na porta? Você não consegue tomar atitudes?
Fonte: André Nunes – Psicólogo