Como meu filho que usa drogas irá buscar ajuda?

Há vinte anos conheço a dependência química através do trabalho em clínica de recuperação e há 17 anos trabalho direto no apoio de famílias que tem parentes fazendo o uso de drogas, e vejo o como é difícil e chega a ser desesperador para família em lidar com essa situação.

E como ajudar o meu parente a buscar ajuda? Uma questão que atormenta e preocupa a todas as famílias que tem seu filho (a) dependente de drogas.

E quero voltar a dizer sobre as mudanças, se a família faz pequenas mudanças e aos poucos estarão tendo grandes mudanças e que essas sejam consistentes, dessa maneira gerando o movimento no dependente que está dentro da minha família.

Ressalto ainda que, a família não responsável pela mudança do parente usuário de drogas, e sim pela própria mudança e que com certeza provoca a mudança do comportamento e da postura do usuário.

Se a família está deixando que a vida dela esteja em torno do filho que usa drogas, se o pai e mãe não conseguem dar atenção a outros filhos, não se consegue resolver questões do dia a dia, que muitas das vezes são simples, não conseguem descansar porque o filho saiu e não sabe que hora ele volta. Tudo isso é sinal que a família não está na posição correta da situação.

Os pais tem direito de descansarem, tem direito sono tranquilo, uma casa em paz, tem direito que ter o seu espaço, e de respirar. E muitas vezes os pais se esquecem disso, e começam somente a viver em prol do filho dependente de drogas e esquece-se de tudo e de todos e até mesmo dos outros filhos.

E por mais incrível que seja o dependente de drogas irá buscar ajuda, através das mudanças dos pais, com um processo de treinamento, a família deve saber o que está acontecendo, reconhecer que acontece na sua casa, e saber que precisa assumir a responsabilidade daquilo que foi feito, não se culpando, mas ser responsáveis por tudo o que foi feito, dentro daquilo que podia ser feito, sem o sentimento de culpa, pois esse somente paralisa as famílias.

E através das pequenas mudanças e claro manter essas mudanças, e por exemplo: você nunca dormia antes que seu filho chegasse em casa de madrugada, mesmo para fazer um sermão para ele, para dar o que comer, e as vezes até dar banho, por causa do estado que havia chegado.

E em outro momento os pais não se levantam da cama, mesmo que estejam acordados mas consigam ficar quietos, acredite seu filho irá achar estranho, dizendo: “nossa tem alguma coisa errada com minha mãe, o meu não disse nada”. E depois de um certo tente fazer outra mudança, cobrar ele de limpar e deixar o quarto organizado, mas sem fazer sermão, mas mostrando que terá um consequência se isso não ocorrer.
Mesmo que você pense o quarto é dele, mas lembre-se a casa é da família, e o quarto dele não pode parecer um campo de guerra, tudo revirado, tudo fora do lugar. Não existe invasão de privacidade se ele não é capaz de deixar um quarto no mínimo limpo e organizado.

Vai chegar um momento de mudanças e mudanças, a família terá um conjunto de mudanças, e imagina que aquele filho que chegava em casa tinha o sermão dos pais, tinha tudo nas mãos, mesmo vindo da curtição e do uso de bebidas de drogas, e não precisava se preocupar em deixar o seu quarto arrumado, começa a ser cobrado de maneira diferente, que os pais não ficam rezando sermões e agem com mais firmeza, ele de fato, irá ter que se comportar de forma diferente. E nesse momento cada ao filho fazer uma única coisa pedir ajuda, ou ter que arcar com suas consequências e com sua vida e as vezes fora de casa.

Não quer dizer que os pais coloquem os seus filhos para fora de casa, mas que os filhos devem respeitar e seguir as regras e os limites que casa dos pais tem, e se ele não quiser aceitar ele terá que buscar alternativa. E certamente com o uso de drogas constante o seu filho irá chegar ao fundo do poço, e vai pedir ajuda, mas os pais devem estar preparados e cuidados para poderem ajudar, senão estão no mesmo fundo do poço do filho.

Convido as famílias pensar sobre quais as mudanças pode ser adotadas em suas casas, quais as mudanças podem se treinadas e lembrando, nenhuma mudança maior deve acontecer de uma única vez, deve ser aplicada de maneira pequena até se tornar maior e além do mais não se pode fazer nenhuma mudança que não seja duradoura, pois não adianta mudar e não manter.

Façam perguntas, tire suas dúvidas, terei imenso prazer em respondê-las.
Fonte: André Nunes – Psicólogo