Curtiu ou compartilhou? A influência das redes sociais no consumo de álcool entre jovens

Beber é um comportamento que tende a ser aceito e visto de maneira predominantemente positiva na sociedade, o que por vezes dificulta o reconhecimento de padrões de consumo prejudiciais. Isso ocorre porque existem regras estabelecidas socialmente que influenciam a maneira como as pessoas agem e se comportam, chamadas normas sociais. São padrões ou expectativas de comportamento compartilhados na sociedade, e envolvem percepções sobre quais comportamentos são comuns e “normais” e o quanto são valorizados e esperados em um grupo.

Nesse sentido, as normas sociais influenciam condutas e interações sociais por atuarem como modelo do que seria adequado, inclusive com relação ao consumo de bebidas alcoólicas. Entre os jovens, por exemplo, há uma percepção equivocada de que é normal e aceitável beber com frequência e em quantidades exageradas. Especialmente nesse público, alerta-se sobre o papel que as redes sociais ocupam na construção, validação e compartilhamento de normas sociais.

Há evidências científicas de que a exposição a conteúdos relacionados ao álcool nas redes sociais pode predispor os jovens a padrões de consumo de álcool não saudáveis, reforçando a crença de que beber excessivamente é um comportamento normativo e esperado. Através dessas plataformas, as percepções do comportamento alheio são ampliadas, suas ações e opiniões podem ser divulgadas em tempo real e avaliadas diretamente por meio de curtidas ou reações. Dessa forma, as redes sociais desempenham um papel importante no incentivo à adoção e continuidade de comportamentos, impactando diretamente na construção e manutenção de normas sociais.

Postar fotos e textos relacionados ao uso nocivo de álcool é bastante comum entre os jovens e tem sido associado a diversas consequências negativas. Tais postagens são especialmente preocupantes, porque induzem outros jovens a superestimar a frequência e quantidade de álcool que seus pares bebem e, como resultado, os influencia a reproduzir esses comportamentos. De fato, diversas pesquisas mostraram que os conteúdos sobre bebidas alcoólicas variam qualitativamente de acordo com as plataformas utilizadas e que há associações significativas entre a exposição ao conteúdo relacionado ao álcool e as intenções de beber.

Embora existam diversos programas de prevenção e intervenção, o consumo nocivo de álcool é um problema de saúde pública grave e persistente. Nesse sentido, pesquisadores das áreas de comunicação e saúde sugerem o uso de redes sociais para identificar e desafiar as normas sociais percebidas sobre o consumo de álcool entre os jovens. Essas plataformas podem ser ambientes privilegiados para propagar informações sobre saúde, debater mitos, promover comportamentos responsáveis e oferecer uma comunicação de intervenção e prevenção para corrigir percepções equivocadas.
Fonte:CISA – Centro de Informações Sobre Saúde e Álcool