5 razões para não exagerar no consumo de álcool no Carnaval

A poucos dias da mais importante festa popular do Brasil, o Centro de Informações sobre Saúde e Álcool – CISA, referência nacional no binômio saúde e álcool, aponta cinco razões para o folião não exagerar no consumo de álcool e aproveitar o Carnaval sem riscos:

1. Não se lembrar da folia

Já pensou perder o melhor do Carnaval por causa de uma amnésia alcoólica? O uso excessivo de álcool pode acarretar em um prejuízo na formação de memórias conhecido como “blecaute”, ou seja, você corre o risco de não se lembrar de partes ou períodos inteiros enquanto estava acordado e bebendo. Estima-se que ao menos 50% dos bebedores adultos já tiveram alguma forma de amnésia alcóolica.

2. Se envolver numa briga porque está bêbado

Vamos combinar que uma das coisas mais desagradáveis é gente brigando no meio de uma multidão que só quer se divertir, simplesmente porque bebeu demais. O uso excessivo de álcool pode prejudicar a capacidade de controlar seus impulsos, o que colabora para um comportamento mais agressivo e violento. Aqueles que bebem no esquema de “esquenta”, ou seja, começam a beber em casa, pouco antes de saírem para a festa, têm 2,5 vezes mais chances de se envolverem em brigas.

3. Passar mal e parar no pronto-socorro

Não se divertir e ainda precisar de cuidados médicos. Se você exagerar no consumo de bebidas alcoólicas, terá uma intoxicação alcoólica. Em quantidades muito elevadas, quando a concentração de álcool no sangue atinge 3 a 4g/litro de sangue, surgem sintomas como confusão mental, dificuldade de se manter acordado, vômitos, convulsões, dificuldade de respirar, diminuição da frequência cardíaca e resfriamento do corpo, podendo chegar até mesmo ao coma.

4.Ter relação sexual sem proteção

O clima esquentou no bloco e você vai esticar a folia. Alerta: o uso abusivo de álcool leva à diminuição da percepção de riscos e dificuldade na tomada de decisões. Assim, um dos maiores problemas de exagerar no seu consumo é ter relações sexuais sem proteção, o que aumenta os riscos de contrair doenças sexualmente transmissíveis e, inclusive, de gravidez indesejada.

5. Sofrer com a ressaca no dia seguinte

Acordar no dia seguinte com dor de cabeça, fadiga, náuseas, falta de apetite, tremores, tontura, desconforto gastrintestinal, sudorese, ansiedade e irritabilidade significa que você está de ressaca! Exagerou na bebida e agora está sofrendo os efeitos da intoxicação aguda por álcool. “Durante a ressaca, há mudanças significativas nas concentrações de alguns hormônios, além de acidose metabólica (redução do pH do sangue), produção de substâncias inflamatórias e desidratação, que causa sensação de boca seca e sede”, explica a coordenadora do CISA, Dra. Erica Siu. Além da quantidade de álcool consumida, outros fatores também são importantes, como o intervalo de tempo do consumo, o tipo de bebida, a ingestão de água, intercalada com a bebida alcoólica, e de alimentos antes de beber.

O CISA reforça que o consumo de bebidas alcoólicas por crianças, adolescentes, gestantes e lactantes é inaceitável, e que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), não deve ser feito nas seguintes condições:

– antes de dirigir, operar máquinas ou realizar outras atividades que envolvam riscos;

– pessoas com problemas de saúde que possam ser agravados pelo álcool;

– junto ao uso de medicamentos que interajam diretamente com o álcool;

– pessoas que não conseguem controlar o consumo.
Fonte:CISA – Centro de Informações Sobre Saúde e Álcool