Escócia adotará preço mínimo para bebidas alcoólicas

Consumo excessivo de álcool é responsável por diversos problemas de saúde e também altos índices de dependência

Os excessos no consumo de álcool preocupa o governo da Escócia. Em média, cada escocês adulto consome 477 “pints” de cerveja por ano, ou cerca de 271 litros.

O consumo em exagero é responsável por diversos problemas de saúde e também altos índices de dependência do álcool no país.

Diante desse cenário, o governo escocês decidiu introduzir, a partir de maio, um preço mínimo para as bebidas alcoólicas. A Escócia será o primeiro país da Europa ocidental a adotar uma medida como essa.

A partir de então, o consumidor terá que pagar pelo menos 50 centavos de libra esterlina, ou cerca de R$ 2,29 por cada unidade de álcool, que equivale a um copo pequeno de vinho ou meio “pint” de cerveja.

Um levantamento feito pelo Institute for Fiscal Studies revelou que cerca de 70% de todas as bebidas alcoólicas vendidas em lojas e supermercados no Reino Unido custam menos de 50 centavos de libra esterlina, chegando a custar até mesmo apenas 18 centavos de libra esterlina ou cerca de R$ 0,82, o que é considerado praticamente um incentivo direto para o consumo de álcool.

Estudos do governo escocês apontam que o aumento do preço irá limitar de forma significativa o consumo do produto entre a população mais pobre, que é a mais afetada por casos de alcoolismo e por problemas de saúde relacionados ao consumo em excesso de álcool.

A indústria de bebidas tentou, durante cinco anos, barrar a ideia do preço mínimo para bebidas alcoólicas nos tribunais, mas perdeu a “batalha” em uma decisão da Suprema Corte britânica em novembro do ano passado.
Fonte: Opinião e Notícia