Narguilé: uma moda que pode custar caro

Está na moda. Muitos jovens brasileiros se reúnem em grupos com um vidrinho colorido com água e tabaco aromatizado para tragar a fumaça produzida pelo narguilé. Dividem o bocal do aparelho e ficam um bom tempo conversando e fumando.

Os aparelhos tem um aspecto atrativo, bonito, que provém de suas origens orientais, o que torna o encontro de amigos para fumar mais prazeroso.

O tabaco para o narguilé é produzido pela sua fermentação com melaço, glicerina e essências de fruta, o que lhe garante um gosto adocicado e um aroma suave. A possibilidade de variar as essências e os sabores é uma das principais razões do sucesso do narguilé.

Quando comparado ao tradicional cigarro, que já teve seu apogeu de fama no século passado e atualmente está em desuso, fora de moda e não possui variedade de sabores e aromas, muitos acreditam que este hábito faz menos mal para a saúde, uma vez que o tabaco é filtrado pela água e a fumaça também fica mais “fria”.

Grande engano. A Organização Mundial de Saúde (OMS) e o INCA (Instituto Nacional do Câncer) estudaram o tema e revelaram que uma roda de 20 a 60 minutos inalando a fumaça do narguilé equivale a fumar uns 100 cigarros. Como o tabaco produzido para o narguilé normalmente tem um sabor adocicado, as pessoas conseguem fumar por muito mais tempo. A média de consumo situa-se em geral em torno de 1 hora.

A fumaça do narguilé é composta pelo carvão, utilizado como fonte de calor, e pelos produtos do tabaco, aí incluídos os aromatizantes utilizados. O grande problema é que esta fumaça possui em média aproximadamente 140 substâncias tóxicas, dentre as quais se destacam a nicotina, o monóxido de carbono, metais pesados ( arsênico, cromo e chumbo, por exemplo) e outros produtos cancerígenos. Segundo a OMS, a fumaça do narguilé geralmente contém o dobro da quantidade de nicotina e de 10 a 30 vezes mais monóxido de carbono que a fumaça do cigarro.

Importante saber que estes estudos foram feitos com base não somente na pesquisa de composição comparativa das fumaças – que no caso do narguilé pode variar de acordo com características específicas do aparelho e do tabaco utilizado- mas principalmente com base nas dosagens laboratoriais realizadas no sangue e na urina dos usuários de narguilé e de cigarro.

Para lembrar, estas substâncias tóxicas têm efeitos deletérios sobre a saúde, aumentando, comprovadamente, sem nenhuma dúvida científica a este respeito, a incidência de infarto, problemas pulmonares, disfunção erétil e vários tipos de câncer. Além disso, compromete um sorriso lindo pois pode afetar a saúde dos dentes e da cavidade bucal.

Muitos produtos que estão na moda são caros. Neste caso, quem paga o preço é sua saúde.

por Ana Escobar

Fonte: Bem Estar, G1