Foco global no problema mundial das drogas ‘não é questão abstrata’, diz chefe da ONU

As Nações Unidas colocaram um foco mundial no problema mundial de drogas durante um evento de alto nível sobre o combate a narcóticos, nesta segunda-feira (24).

O secretário-geral da organização, António Guterres, disse que a dependência de drogas é “mais do que apenas uma questão política. É pessoal”, observando que “a realidade é que as drogas e o vício não são questões abstratas”.

As Nações Unidas colocaram um foco mundial no problema mundial de drogas durante um evento de alto nível sobre o combate a narcóticos, nesta segunda-feira (24).

O secretário-geral da organização, António Guterres, sinalizou que o tema “é pessoal” para muitas famílias.

A dependência de drogas é “mais do que apenas uma questão política. É pessoal”, Guterres disse no evento, observando que “a realidade é que as drogas e o vício não são questões abstratas”.

“Todos nós temos histórias” e “é nosso dever agir – e agir agora”, ressaltou o chefe da ONU.

Ele destacou que perdeu um amigo para as drogas “numa idade insuportavelmente jovem e também descreveu como sua irmã passou muitos anos trabalhando como psiquiatra em um centro de tratamento de drogas na capital portuguesa, Lisboa.

“Eu vi o grande peso que ela teve em seu dia a dia enquanto se dedicava aos que sofriam”, disse ele, acrescentando que tinha “enorme admiração” por ela. “Acho que fiz vários trabalhos difíceis na minha vida. Nada se compara ao que eu a vi fazer.”

Chamando a situação de “alarmante”, Guterres apontou que a produção global de ópio e fabricação de cocaína “nunca foi tão alta”.

“Cerca de 450 mil pessoas morrem todos os anos de overdoses ou problemas de saúde relacionados às drogas”, ressaltou, acrescentando que, nos últimos anos, “cerca de 31 milhões de pessoas em todo o mundo” necessitaram de tratamento para dependência de drogas.

O uso não médico do tramadol em partes da África e do Oriente Médio está ameaçando comunidades que já são frágeis. E os Estados Unidos estão em uma crise de opiáceos “totalmente devastadora”, de acordo com o chefe da ONU.

Ele expressou preocupação de que apenas uma em cada seis pessoas que precisam de tratamento de dependência de drogas a receba – e para as mulheres o número é ainda maior.

Fonte: ONU