Pesquisadora da UnB testa canabidiol em tratamento de viciados em crack

Professora conseguiu autorização da Anvisa para importar extrato. Segundo ela, substância tem potencial para amenizar sintomas da abstinência da droga.

Uma pesquisa desenvolvida na Universidade de Brasília (UnB) testa os efeitos do canabidiol – substância derivada da Cannabis sativa, conhecida como maconha – no tratamento de pessoas viciadas em crack.

Há cerca de três anos, a professora e pesquisadora Andrea Gallassi pediu à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para importar o extrato e testá-lo em dependentes da droga sintética.

Segundo Gallassi, a substância tem potencial para amenizar praticamente todos os sintomas da abstinência, como ansiedade, insônia, falta de apetite e o desejo intenso pelo consumo da droga.

“Hoje a gente não tem um tratamento referência para as dependências químicas. Não temos um medicamento com uma assertividade considerada ideal para essas pessoas interromperem [a droga] e conseguirem controlar os principais sintomas que as fazem voltar ao uso.”

“O grande desafio é desenvolver medicamentos que, de fato, ataquem os principais sintomas de pessoas que têm dependência de crack, de cocaína e álcool.”

Pesquisadores estudam canabidiol — Foto: Reprodução/EPTV

A pesquisadora disse ao G1 que os tratamentos feitos, hoje, envolvem uma série medicamentos – cada um com efeito distinto. “A pessoa toma vários remédios, como antidepressivos, calmantes, estabilizadores de humor, que foram criados com outras finalidades.”

Com a pesquisa, ela aposta que tudo isso possa se resumir a uma única substância 100% natural, que é o canabidiol. “Seria um medicamento único e não um coquetel”, afirma.

“O canabidiol reúne muitas vantagens do ponto de vista dos efeitos positivos e, também, dos adversos. O máximo que pode fazer é dar sonolência. Ele ainda tem uma toxicidade muito baixa, pro fígado e pros rins, por exemplo.”

Canabidiol é uma substância presente na maconha e é liberado para uso em medicamentos — Foto: Marcelo Brandt/G1

Além das vantagens apontadas por Gallassi, a pesquisa propõe que o tratamento seja feito sem internações, para que os pacientes consigam abandonar o uso do crack sem abrir mão da própria rotina. “A ideia é que eles sigam a vida normalmente.”

Andrea Gallassi afirma que, antes de começar o processo terapêutico, informa aos pacientes sobre a substância usada, seus efeitos e mitos. “A gente explica pros pacientes que é um medicamento derivado da maconha, mas que não tem o princípio ativo, que é o THC.”

“É também uma forma de combater a desinformação com informações correta, baseadas em evidências científicas.”

A pesquisa

Dependente químico — Foto: Waldson Costa/G1

O estudo começou há quatro semanas, depois que o primeiro carregamento de canabidiol chegou do exterior. “Foi a primeira importação para fins de pesquisa. Até então, a Anvisa só havia autorizado a compra por pessoas físicas”, explicou Gallassi.

“Eles foram muito dedicados e não mediram esforços, não colocaram nenhum impeditivo. Isso abre um precedente para outras pesquisas.”

Para custear as importações, a pesquisa conta com financiamento da Fundação de Apoio à Pesquisa do DF (FAP-DF) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Óleo canabidiol — Foto: Reprodução/RPC

A pesquisa é desenvolvida em parceria com o Centro de Atenção Psicossocial (CAPs) de Ceilândia. Ao todo, 80 pessoas com dependência de crack passarão pela experiência até outubro – metade receberá o canabidiol e a outra metade, o tratamento convencional. Nenhuma delas será informada sobre os medicamentos ingeridos.

“Não existe o grupo que toma pílula de placebo, todo mundo vai ser tratado. Só que os pacientes não vão saber em qual grupo estão. Eles apenas sabem que a pesquisa envolve o canabidiol e assinam um termo em que declaram não saber o que vão tomar”, explica Andrea Gallassi.

“Recebemos muito contato de familiares, mas a premissa é que a pessoa tem que querer participar da pesquisa e ela mesma deve fazer esse contato.”

Até a publicação desta reportagem, a pesquisa havia recrutado dez pacientes. “Diferente do que se imagina, não é fácil encontrar 80 pessoas com dependência de crack que tenham disponibilidade para fazer o tratamento.”

Por isso, Gallassi e a equipe organizaram o recrutamento em oito etapas, de modo que os pacientes ingressem aos poucos. Para cada um, o tratamento terá duração de dois meses e meio, com encontros presenciais uma vez por semana.

Dependentes de crack — Foto: Reprodução/TV Globo

O atendimento é feito sempre no CAPs AD 3 de Ceilândia e, para tentar assegurar a continuidade do processo, a equipe de pesquisa mantém contato frequente com os pacientes e familiares.

“Montamos uma rede para acessar essas pessoas e não perdê-las no meio do caminho. Estamos sempre em contato.” Mesmo assim, Gallassi afirma que conta com a possibilidade de desistências. “A perda é esperada, porque esse é o perfil.”

“Como qualquer pessoa que tem dependência de drogas, o dependente de crack também pode ter dificuldade para manter o tratamento. É esperado que tenha abandono, recaída, mas estamos preparados.”

Por enquanto, os pacientes sob análise apresentam reações positivas ao canabidiol, segundo a pesquisadora. “Eles estão dormindo melhor, estão mais calmos e com um bom apetite. É uma análise bem inicial, mas já é animadora.”

Como participar?

Interessados em participar da pesquisa podem telefonar, inclusive à cobrar, ou mandar Whatsapp para o número (61) 9.9996-7060.

Fonte: G1