Câncer atribuível ao consumo de álcool

Estudo recente, publicado na renomada revista Lancet Oncology, analisa casos de câncer causados pelo álcool, apontando que mesmo quantidades pequenas podem contribuir para a ocorrência da doença.

Estudo com estatísticas populacionais sobre o consumo de álcool em todo mundo1 estimou que mais de 740 mil novos casos de câncer foram atribuíveis ao álcool em 2020, compondo uma “fração atribuível ao álcool” (FAA) de 4% no conjunto de todos os tipos de cânceres. FAA é a proporção de agravos e mortes atribuíveis ao álcool, e pode ser interpretada como a proporção de mortes que desapareceriam se não existisse o consumo de álcool2. Para entender melhor o que é FAA e ver suas estimativas para outras doenças, consulte nosso novo relatório “Álcool e a saúde dos brasileiros: Panorama 2021”.

Além de apresentarem os dados gerais, os pesquisadores analisaram o impacto que os níveis de consumo têm na incidência dos 741.300 casos de câncer atribuídos ao álcool em 2020. Foram criados três níveis de consumo: moderado (menos de 20g de álcool puro por dia), de risco (de 20 a 60g por dia) e pesado (mais de 60g por dia). O consumo pesado contribuiu com 46,7% dos novos casos de câncer; o consumo de risco com 39,4% e o moderado com 13,9%.  Os autores referem que não há  nível  seguro de consumo, pois mesmo  quantidades menores que  10g de álcool puro/dia, (menos que uma dose padrão), contribuíram para a ocorrência de 41 mil novos casos de câncer.

Os homens são mais afetados e correspondem a 76% dos casos. Os cânceres mais frequentes são: esôfago, fígado e mama. Os maiores índices foram registrados na Ásia Oriental (5,7%) e Europa Central e Oriental (5,6%) e os menores no norte da África (0,3%) e Ásia Ocidental (0,7%). Os autores consideram que suas estimativas são conservadoras e o estudo possui algumas limitações: não foram considerados os efeitos sinérgicos entre o álcool e tabaco no câncer das vias respiratórias e as contribuições das hepatites B e C no câncer de fígado.

O estudo sugere e recomenda maior atenção nas intervenções e políticas públicas que sejam efetivas para a conscientização sobre os riscos de câncer relacionado ao consumo de álcool.

Você sabia que, segundo a OMS, não existe um padrão de consumo de álcool que seja absolutamente seguro? Para saber mais, veja nosso texto sobre consumo moderado.

  • Referências:
    1. Rumgay H, Shield K, Charvat H, et al. Global burden of cancer in 2020 attributable to alcohol consumption: a population-based study. Lancet Oncol. 2045;0(0). doi:10.1016/S1470-2045(21)00279-5
    2. OMS. Global Status Report on Alcohol and Health 2018. Genebra: Organização Mundial Da Saúde; 2018.; 2018.

Fonte:CISA – Centro de Informações Sobre Saúde e Álcool